sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Ultraman Leo, o sobrevivente herói da crise setentista

Ultraman Leo e seu irmão Astra (Foto: Divulgação/Crunchyroll)

Em 1970, após a morte de Eiji Tsuburaya, o estúdio Tsuburaya Productions passou por uma reorganização, graças ao empenho de seus filhos Hajime e Noburo Tsuburaya. A então nova fase começou em abril de 1971 com o lançamento da série O Regresso de Ultraman. Um importante embrião para a formação da Irmandade Ultra. Nesta fase surgiram outras séries como Ultraman Ace (1972) e Ultraman Taro (1973). Durante a exibição deste último, o mundo sofria com a segunda crise do petróleo que atingiu a pré-produção de uma série Ultra que estava programada para ir ao ar em março de 1974. Ultraman Taro (leia: Ultraman "Tarô") foi obrigado a ter mais quatro episódios. Foram 53 no total. Portanto, a série Ultra mais longa da era Showa. Finalmente, na noite de 12 de abril de 1974, estreava a série que seria a última da era de ouro da Família Ultra.


O amargurado oficial Gen Ootori
Ultraman Leo foi a sétima da franquia e uma das mais importantes da mitologia dos heróis gigantes da Tsuburaya. Era uma sequencia indireta de Ultra Seven, clássico de 1967. Dan Moroboshi (o alter-ego do lendário herói reinterpretado por Kohji Moritsugu) estava de volta à Terra após 6 anos de sua batalha contra Alien Ghos e Pandon. Agora como capitão da equipe anti-monstros MAC (Monster Attacking Crew), o veterano trava uma batalha feroz contra Alien Magma e os monstros gigantes Giras Brothers (Red Giras e Black Giras), onde perde os seus poderes e fica manco de uma das pernas. Uma das cenas mais chocantes do programa.

Para salvá-lo, surge impetuosamente Ultraman Leo, vindo diretamente da extinta Nebulosa L-77, situada na constelação de Leão. Assim como Seven, Leo assume a forma humana na Terra, ao invés de usar um hospedeiro. Sua identidade na Terra é Gen Ootori (vivido por Ryu Manatsu) e passa a servir como oficial da MAC. Além de carregar a responsabilidade de proteger a paz em nosso planeta como Ultraman. Fora da MAC, Gen treina crianças num clube de esportes junto com Takeshi Nomura e Momoko Yamaguchi. Nos primeiros episódios, Gen e seus amigos passam a cuidar de Tooru (uma versão chatinha de Jiro Sakata, de O Regresso de Ultraman) e sua irmã mais nova Kaoru após ver seu pai ser assassinado por um monstro. Gen se identifica com Tooru ao vê-lo solitário e lembra de sua terra natal que foi destruída. 

Gen usa o Leo Ring como ferramenta de transformação em Ultraman Leo. Apesar de Leo ter alguns golpes e ataques especiais como o Leo Kick, o guerreiro lutava corpo a corpo contra seus oponentes, utilizando até mesmo habilidades do karatê. O herói não dispensava socos e pontapés. Assim como Metalder foi nas séries Metal Hero, Ultraman Leo foi um herói bastante sofrido nas séries Ultra. Logo nos primeiros episódios, Gen se mostra um guerreiro despreparado e seu descuido era deixar facilmente inocentes em perigo. O Capitão Dan Moroboshi era um elemento importante nestes momentos de crise (e que não deixa o espectador dropar a série por conta dos vacilos de seu subordinado/discípulo).

Para aprender a ser um herói com grandes responsabilidades, Moroboshi sempre colocava Gen em treinamentos extremamente pesados. Numa dessas situações, Gen foi desafiado a cortar a correnteza de uma cachoeira para vencer um poderoso inimigo (A situação se repetiu anos mais tarde num episódio de Shaider, da Toei Company). Com seu Ultra Olho destruído e nem ao menos poder se transformar em Ultraseven, Moroboshi usa a Ultra Psicocinese apenas em casos de extrema necessidade. Tal poder consome as forças do capitão da MAC. O ponto alto da interação deles sempre era a bronca que o veterano dava ao novato, com a intenção de mostrar que a vida não é nada fácil. O foco da MAC era sempre nos membros alienígenas. Diferente das séries anteriores que mostravam o carisma das equipes anti-monstro, a MAC tinham membros coadjuvantes.


Capitão Dan Moroboshi passando mais uma lição para Gen

A série vai melhorando e abandonando clichês. Tomando pegada mais sombria e altamente violenta. A qualidade levou a Tsuburaya produzir vários episódios dignos de verdadeiros contos de terror. Durante um período, alguns episódios focaram em homenagens ao folclore japonês, saindo um pouco do clima sangrento e partindo para um apelo mais infantil. O que não deixa a série ruim. Porém isso não durou muito e as histórias voltaram a ficar violentas.

Ultraman Leo possui sagas marcantes. Algumas delas com o auxílio de Astra, o irmão mais novo do herói-título que chega para ajudá-lo. Sendo este o primeiro Ultra secundário da franquia. (NOTA: O termo "Ultraman Astra" é incorreto e jamais oficializado pela Tsuburaya.) Nesta mesma série acontece a estreia do lendário Ultraman King, que concede a Leo o Ultra Mantle que pode se converter (pasme!) num guarda-chuva, o LeoBrella e também no Ultra Mantle Mirror. Até então, Ultraman King era apenas um divindade jamais vista por alguém da Estrela Ultra. Os irmãos Zoffy, Ultraman, Ultraman Jack (ainda chamado na época como Kaetekitta Ultraman e Shinman) e Ultraman Ace também dão o ar de suas graças, além de uma brevíssima participação do casal Pai e Mãe de Ultra.


O magnífico Ultraman King
O episódio 40 é, senão, o mais decisivo. Devido à crise do petróleo, a Tsuburaya não teve outra opção a não ser mudar o rumo de Ultraman Leo. Com isso, vários personagens principais tiveram seus destinos alterados com a chegada dos demoníacos Discos Vivos. Este arco é tão intenso que chega a ser pecado mortal dar qualquer spoiler. O que posso dizer é que os últimos 12 episódios são os melhores devido à intensidade de catástrofes e dramatização. São momentos carregados de puro terror e violência que podem ser traumáticos, caso você se apegue com um determinado elemento. É de deixar o espectador na ponta do sofá e roendo as unhas. Além disso, os laços entre Gen e Tooru são colocados à prova.

Por causa da instabilidade econômica gerada pela crise, Ultraman Leo teve efeitos capengas e monstros de baixa qualidade. Em contrapartida, os roteiros são muito bem compensados. Aliás, a série teve vilões bastante impopulares. Os únicos que se salvaram do "anonimato" ao longo da história foram o próprio Alien Magma e o monstro Nouva (um dos Discos Vivos) que apareceram em outras séries e filmes Ultra. Nem mesmo a escassez de verba deixou o brilho da série se apagar. Numa época onde animes de esporte estavam em alta - Ultraman Leo passava uma mensagem de determinação de maneira própria e imparcial para os padrões das séries japonesas da época. E o herói aprendeu e ensinou a superar toda e qualquer crise.


Elenco e produção

O ator Ryu Manatsu, que viveu Gen Ootori, era quem cantava o primeiro tema de abertura. Um dos destaques era o tema de inserção "Hoshizora no Ballad" (Balada de um Céu Estrelado) que contava a tristeza de Leo após ter perdido seu planeta-natal. Uma lindíssima melodia. Esta mesma canção foi tocada no game Ys IV - The Dawn of Ys, lançado em 1993 pela Falcom. A partir do episódio 14, Ultraman Leo ganha um novo tema de abertura, "Tatakae! Ultraman Leo", interpretada por Yuki Hide (creditado como Hideyuki). Ele é mais conhecido por cantar temas de outras séries tokusatsu como Kikaider e Spider-Man.

Ultraman Leo teve refinadas participações no elenco:

  • O ator Tsunehiro Arai (Tooru) apareceu em Lion Man como o garoto Sankichi. Curiosamente ele interpretou dois personagens mirins que representavam leões em tokusatsu. Também participou em Ultraman Taro no ano anterior;

  • Ainda sobre participação mirim, o ator Tomonori Yoshida, o Júpiter da série Cybercop, também aparece ainda aos 8 anos de idade. Anos mais tarde, ainda criança, aparece num episódio de Spider-Man, de 1978.

  • O ator Yukio Ito, que viveu como Takeshi Nomura, se tornou Midorenger em Gorenger (1975) e Battle Cossack I em Battle Fever J (1979). Ambas séries Super Sentai.

  • Ultraman Leo também contou com outras participações como Susumu Kurobe, Hiroko Sakurai (ambos foram Hayata e Akiko, respectivamente, em Ultraman), o saudoso Tetsuo Narikawa (Spectreman), Tetsuya Ushio (Lion Man) e Masayuki Susuki (Kojiro Ooyama em Gavan, Sharivan e Shaider e Hakushin em Jiraiya).

  • Para os fãs de Ultra Seven, a atriz Yuriko Himishi volta a interpretar Anne Yuri em apenas um episódio. O que seria seu suposto retorno seis anos depois do fim da série.


Leo contra Silver Bloome, no clássico episódio que marcou a reta final


Após a série de TV

Algumas cenas de Ultraman Leo em ação podem ser vistas no filme Ultraman Story (de 1984) que conta a origem de Ultraman Taro. Um filme bem confuso e cheio de furos na cronologia de M-78. Ryu Manatsu volta à pele de Gen Ootori em 2006 na série Ultraman Mebius, série que comemorou os 40 anos do primeiro Ultraman. Aparece também nos filmes Mega Batalha na Galáxia Ultra (2009), Ultraman Zero: A Vingança de Belial (2010), e Ultraman Saga (2012). Além do especial Ultra Galaxy Legend Gaiden: Ultraman Zero vs. Darklops Zero (2010), algumas aparições no programa Ultraman Retsuden (2011) e na série Ultraman Ginga (2013). Na atual era Heisei, Ultraman Leo se tornou mestre de Ultraman Zero, o filho de seu mentor.

Todos os 51 episódios de Ultraman Leo podem ser visto oficialmente através do canal de streaming Crunchyroll. A série estreou no Brasil e em outros países em 12 de novembro de 2014 (com legendas em português desde 25 de janeiro de 2015). Ultraman Leo é a série drama mais antiga a passar pelo catálogo que tem agregado mais conteúdo da franquiaSe você é daqueles que ainda acham que não existe mais tokusatsu por aqui e já viu tudo com Jaspion e cia na extinta Rede Manchete, tente uma nova experiência com está maravilhosa série e se emocione. Com certeza não irá se arrepender. E uma dica: a atmosfera de Ultraman Leo funciona melhor se você assistir tarde da noite. A emoção e a tensão são aumentadas.

Parada obrigatória para as comemorações dos 50 anos de Ultraseven em 2017.

Assista a primeira abertura de Ultraman Leo e na sequencia a canção "Hoshizora no Ballad":






Leia também:

- Ultraseven X é a mais nova opção para os amantes de ficção científica

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

O que esperar do próximo Super Hero Taisen?

Mais um Super Hero Taisen vem aí

Desde 2012 esses filmes de primavera da Toei são tradição. Alguns bem legais como do Kamen Rider 1-gô (deste ano) e outros bizarros. E mais um filme desta série foi anunciado. O título será Kamen Rider x Super Sentai: Chou Super Hero Taisen. Será um crossover entre Kamen Rider Ex-Aid e Uchuu Sentai Kyuranger.

Cá pra nós: os únicos filmes tokusatsu que prometem mesmo em 2017 são do Ultraman Orb (também na primavera japonesa) e os dois Space Squad (Girls in Trouble e Gavan vs. Dekaranger). Não há muito o que esperar a não ser mais um caça-níquel da Toei e sem compromisso com a lógica. Esses crossovers estão cansativos e não geram mais expectativa alguma.

É bem provável que seja um mais do mesmo. Se algo diferente surgir, vai valer a espera.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Suposição antiga sobre Kyoryu Blue como Jaspion vira piada de primeiro de abril

Yamato Kinjo como "Nossan" em Kyoryuger (Foto: Reprodução/TV Asahi)

Na época do Kyoryuger, o Super Sentai de 2013, sempre que a gente via o visual "black power" de Nobuharu Udo/Kyoryu Blue (também conhecido na série como Nossan) a gente lembrava do Jaspion. Isso porque os dois personagens tinham cabeleiras parecidas. Não seria uma má ideia se o ator Yamato Kinjo um dia vivesse o pequeno Tarzan Galático (o garoto que Jaspion passou a criar no final da série) ou algum outro sucessor de Jaspion. Seria mais lógico uma vez que Hikaru Kurosaki está afastado por motivos que bem sabemos. É uma ideia que a Toei poderia adotar? Sim, mas temos que aguardar por algum anúncio oficial pra não cair na fantasia.

Por outro lado, sempre tem um ou outro que quer manter as esperanças e acaba caindo numa pegadinha qualquer na web. Foi o que aconteceu neste fim de semana quando um boato surgiu nas redes sociais dando a entender que Yamato Kinjo interpretaria Jaspion no filme Space Squad: Gavan vs. Dekaranger, no meio de 2017. Obviamente, nada confirmado e Yamato já não tem mais aquela cabeleira dos tempos de Kyoryuger, como pode ser visto em sua conta no Twitter, por exemplo.

Todo cuidado é pouco com qualquer boato que se vê por aí nas esquinas da internet, mesmo que seja uma "brincadeirinha". Tem gente tomando como verdade e a próxima vítima pode ser você. Prefira as informações vindas diretamente da fonte.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Goku ataca com "Pegadinha do Mallandro" em Dragon Ball Super

Goku trolou o próprio público na série

Não sei se você teve a mesma impressão quando assistiu os últimos dois episódios de Dragon Ball Super, mas ficou na cara de que aquela tentativa de assassinato de Hit contra Goku poderia ser mais uma desculpa pra ter um embate de titãs antes da nova saga começar pra valer em fevereiro. E a desculpa foi mais esfarrapada que essa.

Goku foi vítima do ataque de Hit. Na realidade tudo não passava de uma "brincadeira" do próprio Saiyajin para lutar com alguém muito poderoso. No fim das contas tudo pareceu uma "Pegadinha do Mallandro" e nada de importante foi acrescentado na série. E pensar que ainda teremos janeiro com mais essa extensão do epílogo da saga do Trunks do Futuro.

sábado, 24 de dezembro de 2016

Só pra constar: Herbaira também vai aparecer em Space Squad

A assassina do Império Water está de volta em 2017

Podemos dizer que ganhamos um presente de Natal com a notícia da volta d'O Fantástico Jaspion. Se você não acompanhou ainda, o nosso "Ginga no Tarzan" está confirmado no filme Space Squad: Gavan vs. Dekaranger. Não custa nada lembrar (pela milésima vez, eu acho): o ator Hikaru "Seiki" Kurosaki é instrutor de mergulho em Okinawa e não quer mais saber de tokusatsu.

Como disse aqui, Jaspion pode aparecer num flashback ou em ação. Seja qual for a situação, deve ser apenas trajando sua Metal Tech Suit. E quem sabe também apareça alguma silhueta nas sombras (com algum dublê interpretando, né?). Até aí a gente espera que faça algum sentido. Certamente algum seiyu deverá empresar a voz ao Jaspion.

Agora, na mesma publicação divulgada nesta sexta (23) também foi confirmada a volta de Herbaira, a vilã de Spielvan. Esse detalhe passou despercebido entre o público brasileiro - que ainda está mais empolgado com a volta do Jaspion do que qualquer outro personagem que passou pela era Manchete.

Enfim, se a gente analisar bem, esta volta de Herbaira ainda tem algumas incógnitas. Quem acompanhou Spielvan sabe que ela é Helen e ela se libertou da maldição da Rainha Pandora. Não se sabe ainda se esta Herbaira monstruosa é a mesma da série de 1986 ou se é um clone, um experimento de DNA ou coisa do tipo. No futuro saberemos qual a explicação.

Veja as imagens:



Na primeira imagem vemos MacGaren (Junichi Haruta) ao lado da nova versão de Benikiba (Mikie Hara). E claro, o nosso Jaspion no rodapé. Surge um vilão que lembra ligeiramente Kenga e Zahul, os capangas de Silk, em Jaspion. Na segunda vemos uma Herbaira monstruosa que lembra referências dos filmes Alien e O Predador. Bem assustadora, não?

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Netflix lança novos animes e mais Power Rangers

Todos os Rangers reunidos

Estamos em contagem regressiva para 2017 e um dos filmes mais aguardados do ano é o reboot de Power Rangers. Pra preparar os fãs, 
a Netflix lança a partir de 1 de janeiro a recente temporada Power Rangers Dino Super Charge e o especial Power Rangers Super Megaforce: The Legendary Battle.

Pra quem curte anime, na mesma data está confirmada a volta do clássico As Aventuras do Pequeno Príncipe. Série de 1978 que passou aqui no Brasil na década de 80 pelo SBT e ganhou lançamento em DVD pela Focus Filmes anos atrás. Ainda no dia de ano novo, a Netflix lança também a série Yo-Kai Watch e o filme Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki (este último disponível nos canais Telecine e Telecine Play).

E não para por aí. No dia 13 de janeiro está de volta o filme Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário. E tem muito anime chegando durante 2017 como séries Charlotte, God Eater, Erased (disponíveis também no canal de streaming Crunchyroll) e o inédito Cyborg 009 Call of Justice.

Em 2016, Ultraman Orb fez escola para as séries Rider e Sentai

Orb em sua forma Trinity no filme de 2017

2016 foi um ano muito especial para o estilo tokusatsu e mais feliz ainda pra quem acompanhou Ultraman Orb. A série chega ao seu final e já na madrugada da próxima sexta pra sábado veremos em primeira mão via Crunchyroll.

Ao lado de Redman (série de 1972 exibida mundialmente via Ultra Channel, no YouTube), esta foi, sem dúvida alguma, foi uma grata surpresa neste ano. Aponto aqui alguns motivos que considero os fatores cruciais para o sucesso:

1) Comemorações dos 50 anos das séries Ultra

Ultra Q e Ultraman completaram meio século. As celebrações foram centradas mesmo na série do gigante prateado vindo da Nebulosa M-78. A franquia é uma tradição no Japão e tem bastante força quanto um Star Wars da vida.


2) Quebrou padrões

Aqui acolá sempre tem uma turma que acha que Ultraman é "a mesma coisa". Mas quem assistiu pelo menos umas três ou cinco séries Ultra sabem que isso não é verdade tem argumentos que derrubam facilmente tal desinformação. Orb foi uma série que quebrou padrões e superou Ultraman X, que ainda mantinha clichês como uma equipe anti-monstros. O trio da SSP é uma equipe improvisada e cheia de bom humor. Nada de exageros e pegadas infantiloides como acontecem viciadamente nas atuais séries tokusatsu da Toei. Kamen Rider Amazons é uma exceção, obviamente.


3) Miyabi Matsuura

A atriz é bonita sim. Nesse quesito, ela é um páreo duro em meio às gracisosas atrizes de Kamen Rider Ex-Aid e Zyuohger. Mas Miyabi, a nossa querida Naomi Yumeno, simplesmente detona elas com sua interpretação ímpar. Não que as atrizes de Rider e Sentai sejam ruins, veja bem. É que Miyabi tem um dom especial e uma química forte em cena. É só ver por exemplo os momentos em que ela contracena com Hideo Ishiguro, o Gai Kurenai da série.


4) Rivalidade inteligente

Gai e Juggler ensinaram a Toei como criar uma rivalidade consistente e sem abandonar personagens, como aconteceu infelizmente com Decade e Diend. A ligação entre o herói e o vilão ainda é um mistério e deve ser desvendado em The Orgin Saga, agora em dezembro. Juggler foi um vilão terrível e foi um misto de diversão e ódio. Sim. Juggler conseguiu agradar em cheio o público e vai nos fazer odiá-lo no último episódio.


5) Spin-off e filme em 2017

Os filmes de primavera agora são praticamente uma tradição e Orb nas telonas é motivo de muitas expectativas. Já o spin-off, que será o prólogo do herói, tem tudo pra ser uma jogada inteligente da Tsuburaya.


6) Exibição simultânea no Brasil

Ultraman Orb é a segunda série tokusatsu a vir mais rápido pra cá. A primeira foi Ultraman X no ano passado. Ambas derrubaram Jiban do topo de série exibidas no Brasil no mesmo período que no Japão. Os tempos são outros e a transmissão simultânea pelo canal de streaming Crunchyroll é uma grandiosa conquista. Orb teve uma audiência de 89% a mais que X. Sinal de que não precisamos mais esperar anos-luz pra ver uma série tokusatsu na TV brasileira. E além do mais, hoje em dia só é refém da pirataria quem quer.


7) Ultrapassou Kamen Rider e Super Sentai

Enquanto a Toei teve um ano aquém para comemorar os 45 anos de Kamen Rider e os 40 de Super Sentai, a Tsuburaya soube se planejar e criar um programa divertido, carismático e sem abuso de infantilidade. Não teve susto, mas muitas surpresas agradáveis que não deixaram o público se cansar. As séries Ultra estão em sua melhor fase nos últimos 10 anos e a Tsuburaya tem muito ainda que ensinar à nossa querida Toei.



quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Perseguição dos justiceiros sociais contra Super Mario Run é muita falta do que fazer

Mario machista?

O game Super Mario Run foi lançado há uma semana e recebeu críticas por um simples motivo: o herói continua salvando a Princesa Peach em pleno ano 2016, assim como nos primeiros jogos nos anos 80. Claro, toda essa reclamação nonsense vem por parte dos tais justiceiros sociais - mais precisamente das famigeradas feministas.

Não há problema nenhum em Mario salvar a princesa e isso não é sexismo nenhum. E sim cavalheirismo. Aliás, essa sempre foi a graça da franquia de jogos e não tem que mudar por causa de uma meia dúzia barulhenta (que ataca como donos da razão). Super Mario Bros tem todo um contexto e as boas e decentes mulheres adoram isso. Talvez esse elo entre Mario e Peach seja uma das razões para atrair interesse das mulheres em conhecer o jogo e até outros games. E isso não é problema nenhum.

Na boa: Mario sempre vai salvar a princesa, Superman sempre vai salvar Lois Lane, Seiya de Pégaso sempre vai salvar a deusa Atena e não são os justiceiros sociais de plantão que vão mudar isso. Antes de virem querer mudar o sentido de algum game, filme, mangá, série de TV, etc, procurem pesquisar sobre tal título antes de sair reclamando nas redes sociais e nos deixem em paz.

Na boa 2: essa polemiquinha interneteira é falta duma lavagem de louça. Olha, essa chatice passou da conta.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Filme tokusatsu de Fantomas completa 50 anos

O Morcego Dourado em sua versão cinematográfica

Em 1931, surgia um dos nomes mais importantes da cultura pop. Seu nome: Ogon Bat. Algo como "Morcego Dourado". O personagem foi criado por Takeo Nagamatsu diretamente para kamishibai, o antigo teatro de papel. Ogon Bat é o primeiro super-herói japonês e também precursor de renomados heróis dos quadrinhos como Batman e Superman, que surgiram no final dos anos 30. No Brasil, Ogon Bat é conhecido como Fantomas - o Guerreiro da Justiça, da série de anime de 1967, exibido por aqui pela TV Record (agora RecordTV) nos anos 70 e reprisado exaustivamente até a primeira metade dos anos 80. O rebatismo se deve por uma tentativa de associar o rosto do herói com a máscara de um lutador de luta-livre da época, famoso entre os anos 60 e 70 que aparecia sempre em programas como Telecatch, por exemplo.

Meses antes da estreia da clássica série animada, o cinema japonês exibiu um filme do herói em estilo tokusatsu. Produzido pela Toei Company, Fantomas - o Guerreiro da Justiça estreava em 21 de dezembro de 1966. Foi daí que surgiu o famoso tema de abertura. Um meio de promover o anime feito pelo estúdio Daichi Doga. Na história vemos Sonny Chiba (o Voicer da série Uchuu Keiji Gavan) como o Professor Yamatone. Ele recruta o jovem cientista Akira Kazahaya para deter a chegada do planeta Icarus, que mudou de rota e está em direção à Terra. Yamatone trabalha secretamente com sua família. Para deter Icarus, eles vão em busca de um diamante que é a força essencial para deter o tal corpo celeste.

Por outro lado está o diabólico Dr. Zero (Dr. Nazo), que é o responsável pela mudança de rota do planeta Icarus. Em meio à patrulha, Akira, Yamatone e equipe descobrem uma ilha que não consta no mapa. O local, na realidade, é o que sobrou da antiga civilização de Atlântida. Lá eles descobrem um sarcófago com um esqueleto. A mensagem diz que este é Fantomas, um herói de dez mil anos que despertará novamente apenas em nome da justiça. Sempre em momentos de crise, quem deverá chamá-lo é a garota Emily, através de um broche com um formato de um morcego.

Fantomas - o Guerreiro da Justiça foi dirigido por Haijme Satô (1929~1995). Ele é conhecido por clássicos filmes tokusatsu como Terror Beneath the Sea (1966) e Goke, Body Snatcher from Hell (1968). No elenco está o ator turco Andrew Hughes, conhecido por filmes tokusatsu como King Kong no Gyakushu (1967), Godzilla: Destroy All Monsters (1968), entre outros. Sempre falando em inglês e tento sua voz dublada em japonês. Outro rosto conhecido do tokusatsu é o de Hiroshi Nakata, o Captain Ultra (série de 1967 que serviu como "tapa-buraco" no período de hiato entre Ultraman e Ultra Seven). Nakata também pode ser visto nas primeiras séries das franquias Kamen Rider e Super Sentai, no filme Message from Space: Galactic Wars e no episódio 29 de Gavan (1982). E no início do filme, Yukio Aoshima (1932~2006) aparece como um oficial de polícia. O ator foi governador de Tóquio entre 1995 e 1999.

Com apenas 73 minutos, o filme tenta focar nos personagens principais em meio ao ritmo frenético de aventura. Consegue divertir com boas sequencias de ação, naves de brinquedo, maquetes e coisas do tipo. E tudo isso com aquele charme do cinema preto-e-branco que estava praticamente com os dias contados. Vale a pena ver e rever o esqueletão que deixou sua risada assombrosa como registrada na memória da criançada dos tempos pré-Manchete.

O filme de Fantomas foi lançado no Brasil em 2013 pela Cult Classics. A mesma empresa também trouxe - oficialmente - a série animada de volta, em DVD, na mesma época.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Yumi Matsuzawa foi diagnosticada com câncer


Essa notícia é particularmente muito difícil pra mim - como fã. A cantora Yumi Matsuzawa, famosa por cantar temas de séries de anime como Nadesico e Os Cavaleiros do Zodíaco (saga de Hades), foi diagnosticada com câncer de mama. A própria divulgou uma nota em sua página pessoal no Facebook nesta terça-feira (20), onde esta fase em que está passando. 

Yumi desabafou o seu sofrimento e revela que sofre com isso há alguns meses. Antes de sua turnê no Brasil e no Chile, em julho passado, ela realizou um exame, no qual havia suspeita de câncer. Mesmo assim, Yumi cumpriu sua agenda de shows. Quando retornou ao Japão, Yumi fez novos exames. O resultado foi um câncer bilateral na mama. A cantora não conteve as lágrimas e resolveu fazer a cirurgia. Apesar das dores, Yumi saiu da cirurgia se sentindo com o coração aliviado.

No comunicado, Yumi agradece o carinho dos amigos, familiares e também dos fãs. Veja:

"Everyone, I have an important announcement to make.
There were a lot of things that happened this year.
From the launch of Battleship Nadesico's theme song debut, this year October it was the 20th anniversary, and Saint Seiya has also reached its 30th anniversary.
And I also went overseas a lot. Singing overseas might be more compared to the amount of singing I did in Japan.
I went to Chile earlier this year and went to Los Angeles the following month. In May, I went to China and in July I sang in Brazil, Argentina. 6 cities 7 performances, touring for 3 weeks.
I was quite busy but the opportunity to meet so many people all around the world, and singing more, It was a very fulfilling year. But on the other hand, I became sick in the second half of the year.
In fact I was thinking of not telling everyone, to my fans about my illness. I always thought that I wanted to convey my energy to everyone.
But my family told me.
“Even if you look at the pictures of your everyday lunch, it’s actually not that important, and it's not even fun.
So, if you truly want to connect with people through blogs, etc., it’s by conveying what you are feeling right now, if you do that don't you feel more connected to people?"
I thought that it may be so. And I feel like I'm keeping a secret, makes my heart feel uneasy somehow, so I decided to tell everyone about my condition in my blog.
A suspicion of breast cancer was found during my health examination in July this year. It was a very small suspicion though. But the doctor told me ”Please go to a big hospital without waiting a year“ and after that
I went to a Brazilian tour for three weeks.
I thought to myself, ”Cancer? No It couldn’t be cancer? Me? No way?". Especially without a lump, and no change whatsoever to my physical condition, so it was a very mysterious feeling.
No way, I truly thought to myself.
After the 3 weeks Brazil tour, I went to a big hospital for a medical checkup the next day in Japan.
The result was cancer. Breast cancer.
From there, the examination at the hospital continued, and MRI results found a small tumor on the right, as well as the part pointed out initially on the left side.
Bilateral breast cancer. By that time I was already very, very mentally depressed.
In the MRI image, the lymph was shining. Not a single word came out of my mouth.
During the examination, I cried because my heart was unable to withstand it.
But still, for the small children, and for my sake I decided to do surgery for the first time to get better, to be healthy again.
“Will I cry on the day of the surgery?”
Is what I thought, but I didn’t.
After that, I found that there was no metastasis to the lymph on the medical examination after the surgery.
Even after surgery, there was pain in my body, but my heart was relieved.
Maybe because it was filled with uneasiness for several months.
During the hospitalisation, I was operated in the same way, shared a room with people, talked with them and the people in the next room, and we became friends.
After sharing a lot of stories with them, I received some bravery. I felt our hearts became one, fellows who fought together through sickness and surgery.
It's been awhile since the surgery.
There’s 2 more weeks left this year, and I want to see everyone, so I will go to Comiket!
On the third day of Comiket, West 1 Hall Ru 27a .
I am looking forward to seeing everyone on December 31st.
Fans who has always supported me,
Everyone who was involved in my 20th anniversary album production, who I am indebted to,
My friends,
And my precious family.
☆ Thank you everyone ☆
Postscript
The 20th anniversary album is still underway, so please wait for a little bit more.
The picture is a one frame of the photo shooting I did the other day.
Looking forward to see what you can do with it ♡
"


Como fã e admirador de Yumi Matsuzawa, fica minha torcida e minhas orações por ela que é tão querida por todos os fãs e que sempre encanta por onde passa. Que Jesus Cristo a abençoe e a cure desse terrível mal. Amém!

#GanbateYumiChan

#BeStrongYumi

sábado, 17 de dezembro de 2016

Juggler é absolutamente o "Coringa" de Ultraman Orb

Juggler no penúltimo episódio de Ultraman Orb (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

De longe, Ultraman Orb é a melhor série tokusatsu de 2016. Não apenas por ser parte do cinquentenário das séries Ultras (a franquia mais antiga do tokusatsu), mas porque é a trama semanal é realmente cativante. Nos apresentou ótimos personagens e trouxe uma rivalidade entre herói e vilão que não vimos desde os tempos dos Riders Decade e Diend.

O ator Takaya Aoyagi merece um prêmio pela excelente atuação que tem dado no papel de Juggler. Simplesmente ele é o vilão do ano. O seu ápice foi atingido no penúltimo episódio, exibido neste sábado (17). Como um criminoso de alta periculosidade, Juggler se mostra além de um mero vilão lunático e mostra toda a sua frieza ao comandar os ataques, mesmo estando preso.

Já por essa reta final podemos ver a sua evolução. Se a gente observar bem, este pode ser equivalente a um Coringa (o clássico vilão de Batman) das séries Ultra. Tem seu lado maluco, porém frio, calculista e impiedoso. Quem assistiu até o fim o episódio da semana se impressionou com a falta de escrúpulos de Juggler vista nos segundos finais.

Sim, amigos. Por mais que gostemos de Juggler, temos bons motivos pra odiá-lo e querermos sua cabeça para a ceia de Natal. Data que coincide com o último episódio de Ultraman Orb.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Kamen Rider Amazons pode ser a quinta série da franquia no Brasil


Com a chegada da Amazon Prime nesta quarta (14), há chances das séries tokusatsu Kamen Rider Amazons e Ultraman Orb: The Origin Saga estrearem num futuro próximo em nosso país. Os títulos são produções exclusivas do canal de streaming, que chega como um forte concorrente da Netflix.

O excelente Kamen Rider Amazons foi lançado semanalmente na última temporada de primavera, entre abril e junho deste ano. A segunda temporada está prevista para o mesmo período em 2017 com mais uma remessa de 13 episódios. Se isso acontecer, esta será a quinta série da franquia criada por Shotarô Ishinomori no Brasil. Por aqui foram exibidas: Kamen Rider Black, Kamen Rider Black RX, Masked Rider (adaptação americana de RX, ZO e J) e Kamen Rider: O Cavaleiro Dragão (adaptação de Ryuki).

Ultraman Orb: The Origin Saga tem estreia prevista para o próximo dia 26 de dezembro, semanalmente às segundas-feiras (no Japão). Inicialmente estão previstas legendagem em inglês e em alemão. Ultraman Orb está em sua reta final e pode ser vista legalmente via Crunchyroll.

Será que nós brasileiros teremos esses dois presentes? 2017 promete.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Partida de beisebol em Dragon Ball Super foi uma das coisas mais legais

Os times dos dois universos (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Geralmente esses episódios de epílogo de saga costumam beirar à algumas situações engraçadinhas e até bobinhas. É típico do Akira Toriyama e isso não é nenhum problema, desde que a coisa não fique chata (como aconteceu há dois episódios atrás). Agora esse lance de uma partida de beisebol entre os guerreiros do Sexto e do Sétimo Universo foi uma coisa bem bacana em Dragon Ball Super.

Alguns guerreiros como Vegeta e Goten jogaram no time do Sexto Universo, pra preencher vagas que estavam sobrando. Foi uma coisa bem divertida e atrapalhada com direito ao Goku e cia fazerem estrago como bem sabem fazer.

De vez em quando é bom quebrar o gelo com situações cômicas antes de iniciar uma nova saga. Tá certo que Dragon Ball Super teve algumas situações bizarras, mas desta vez Toriyama acertou em cheio.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Boato sobre Juggler em Kyuranger é a piada mais sem graça do século

Fala sério: tem mesmo cara de herói? (Foto: Reprodução/Ultra Channel)

Engraçado como sempre tem boatos pra dar e vender em vésperas de estreia de Kamen Rider e Super Sentai, né? Poucas coisas se concretizam de fato e o resto que aparece são meras especulações. De vez em quando surge uns absurdos que parecem mais "brincadeira de mal gosto" do que propriamente desinformação. É o caso do boato que saiu ontem na tokunet que dizia que o ator Takaya Aoyagi, o Jugglus Juggler de Ultraman Orb, vai ser o Shishi Red em Uchuu Sentai Kyuranger.

Olha, de todos os boatos que surgiram nesses últimos anos sobre as séries da Toei esse é o mais controverso. Aoyagi está confirmado em Ultraman Orb: The Origin Saga e em Ultraman Orb the Movie. Juggler ainda tem muito trabalho para Gai Kurenai e sua rivalidade tem tudo pra render mais uns tempos. Outra coisa é a sua vilania que está marcada em sua imagem e está muito recente pra mudar de uma hora pra outra. Sem contar que os primeiros episódios de Kyuranger vão pegar a mesma época em que as sequencias de Ultraman Orb estarão ao ar durante o inverno/primavera no Japão.

Seria burrice da Toei contratar um ator que está em alta devido ao sucesso do vilão e colocá-lo para ser o herói principal do novo esquadrão multi-colorido. Ia ser uma forçada de barra daquelas. Difícil de digerir a ideia, até pra uma criança.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

A volta de MacGaren é obrigatoriamente a volta de Jaspion?

MacGaren e Jaspion nos tempos áureos da rivalidade

Você deve ter acompanhando a repercussão sobre o retorno de MacGaren, né? Então, o arqui-inimigo de Jaspion vai dar as caras no filme Space Squad, crossover duplo entre Gavan e Dekaranger que vai ser lançado direto-para-vídeo no próximo verão japonês (meio de 2017). Mesmo com vários avisos deste blogueiro e de outros comunicadores da área do tokusatsu sobre a realidade, muita gente prefere ainda, digamos, sonhar com a volta do nosso Ginga no Tarzan.

Nem o fato do afastamento de Hikaru "Seiki" Kurosaki da mídia japonesa espantou essa esperança. Há quem queira vê-lo apenas transformado e tal. Mas na boa, minha gente, será que vale a pena mesmo ver Jaspion sendo jogado em mais um fanservice da Toei? Por si só esse motivo nos leva a crer que poderia desagradar - e muito - a nós fãs do herói. Seria legal? Sim, é uma boa ideia. Porém ele não seria bem aproveitado (como vários saudosistas assim esperam). Isso causaria uma inevitável manifestação nas redes sociais porque uma ou outra pessoa vai querer ver o Kurosaki de volta. Independente da informação ou não. E mesmo com todo o impasse que bem sabemos os motivos. Algum seiyu (dublador) teria que se dar o trabalho de emprestar a voz ao Jaspion. E isso aconteceu com vários outros heróis e vilões da Toei nos últimos anos.

Não é porque MacGaren vai aparecer no meio de outros heróis espaciais que Jaspion tenha a obrigação de aparecer também. Não é por aí. E pode ser que apareça mesmo apenas em flashback ou algo do tipo. Um bom exemplo disso é Apollo Geist, da série Kamen Rider X (de 1974). Assim como o filho de Satan Goss, voltou com um traje reformulado e deu muita dor de cabeça para o Kamen Rider Decade (de 2009). O X-Rider tinha aparecido apenas em flashback na época. Um outro exemplo está nos quadrinhos nacionais de tokusatsu. MacGaren já apareceu enfrentando Boomerman e os Changeman numa mesma história. Jaspion não apareceu em momento algum e sequer foi mencionado.

Mas que tal deixar essa ideia de lado e focar no que MacGaren pode causar para os heróis da era Heisei? Isso sim é o que interessa de verdade nesse momento e uma pena que está sendo ofuscado e menos debatido devido ao saudosismo excessivo de alguns brasileirinhos da faixa dos 30, 40 e poucos anos. Não é que Jaspion seja menos importante que MacGaren, entenda. É que Haruta continua na ativa e seu personagem tem boas chances de tocar o terror e quem sabe fazer o que Hunter Killer não fez em 30 episódios. Também temos que contar com o fato dos Policiais do Espaço terem mais popularidade que Jaspion na terra do sol nascente, como bem sabemos os motivos.

É mais fácil MacGaren ser derrotado pela Laser Blade de Gavan e/ou virar um saco de pancadas dos Dekaranger do que acontecer um "Jaspion NEXT GENERATION".

PS: Benikiba também vai aparecer, só que agora interpretada pela atriz Mikie Hara (do live action de Cutie Honey). Nem adianta chorar pela volta do Jiraiya. Até onde se sabe, ele não está previsto em Space Squad.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Kyuranger tem quantidade assustadora de heróis para uma estreia

Em fevereiro que vem estreia Uchuu Sentai Kyuranger, a série Super Sentai de 2017. Desde o começo do século era comum ver um esquadrão pós-aniversário ser formado por um trio. Eis que fomos surpreendidos ao ver 9 integrantes iniciais. Não há informações se haverá um trio ou um quinteto principal enquanto o restante sirva de suporte ou se todos serão fixos. Tudo o que sabemos até agora é que a temática espacial será ligada a elementos como constelações e signos.

Temos bastante heróis, assim como em Dekaranger e Kyoryuger, que começaram como quintetos. Tem o lado comercial da coisa, mas para o roteiro dar conta de nove heróis logo de uma vez nos primeiros episódios pode ser uma tarefa difícil pra Toei. Chega a ser meio assustador ver essa quantidade logo no início, mas é coisa que a Toei pode dar conta, se distribuir bem os personagens a exemplos de Kamen Rider Ryuki e Gransazer.

É cedo pra dizer se Kyuranger vai vingar e como será o tratamento com os heróis, mas a temática não deixa de ser interessante e causar expectativas. Fica a minha torcida pra Toei não exagerar.

O Esquadrão do Espaço Kyuranger





domingo, 4 de dezembro de 2016

Em Dragon Ball Super, Arale faz Vegeta cair em mais um vexame

Vegeta no episódio da semana (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

O episódio deste sábado de Dragon Ball Super trouxe Dr. Slump e a pequena androide Arale de volta. Ambos são personagens de Akira Toriyama da série Dr. Slump (inédito no Brasil). Arale já tinha aparecido em alguns episódios da primeira série de DB e também esteve de passagem em um dos episódios de DB Super.

A ideia foi levar Goku e Arale numa batalha que poderia levar ao fim do mundo (como sugere o título do episódio da semana). Uma coisa vai deixar muito fã do Vegeta fulo com Arale o resto da semana. É que ela venceu o príncipe dos Saiyajins. E não foi uma batalha esforçada nem nada. Vegeta estava numa situação onde não conseguia vencer uma personagem de um mangá de comédia. Ele caiu em mais um vexame daqueles como nunca mais passou nas mãos da pequenina. Foi engraçado e é sempre bom vê-lo em vergonha alheia de vez em quando.

Desses episódios de epílogo de saga esse foi o melhor até agora. O da semana passada foi bobo demais e a nobreza de Shen Long foi aproveitada até esgotar a paciência. Na próxima semana vai ter beisebol com Goku e Yamcha narrando. Isso promete.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Comandante Black, de Ultraman Leo, volta do inferno e vira dono de cafeteria em Ultraman Orb

O comandante da Black Star no episódio deste sábado (3) (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Depois da volta de MacGaren, outro vilão clássico do tokusatsu voltou do mundo das trevas. Comandante Black, o principal vilão do arco final de Ultraman Leo, deu as caras no episódio deste sábado (3) de Ultraman Orb. O trio da SSP investigou sobre uma estranha cafeteria que está em algum lugar desconhecido de Tóquio. O tal estabelecimento foi batizado como Black Star, o mesmo nome do planeta demoníaco de onde veio Black e seus Discos Vivos. Agora o vilão aparece como dono da cafeteria.

No episódio tivemos algumas referências ao Ultraman Leo, especialmente do arco dos Discos Vivos. Com direito à volta de Nova, um dos poucos monstros populares da série do guerreiro Ultra da Nebulosa L-77. Por algum motivo, Black está ligado ao Gai e ao Juggler. Talvez saberemos no final da série ou na nova série, The Origin Saga, a partir do final deste mês.

Com certeza esse episódio serviu como aquecimento para as comemorações dos 50 anos de Ultra Seven, em 2017. Uma vez que Ultraman Leo foi uma continuação indireta e teve Dan Moroboshi como capitão da MAC. Até um Alien Pitt estava presente como prenúncio do cinquentenário. Não foi o melhor episódio de Ultraman Orb, mas foi bem divertido e transformou aquele aspecto sombrio da Black Star em algo mais cômico.

PS: Ainda este mês lançarei uma resenha sobre Ultraman Leo, que está disponível no Brasil pelo canal de streaming Crunchyroll. Fiquem ligados no blog.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

MacGaren retorna com visual high-tech e Jaspion é quem menos importa

O filho do capeta está de volta

Se você, assim como este blogueiro, veio da geração que cresceu assistindo Jaspion pela extinta Rede Manchete, então hoje é um dia especial pra se comemorar. A Toei divulgou novas imagens do crossover entre Gavan e Dekaranger que será lançado no Japão direto-para-vídeo no meio de 2017. Para nós brasileiros a imagem que está mesmo na boca-do-povo é essa imagem acima do MacGaren. O filho de Satan Goss está de volta com uma nova armadura. E não é só uma réplica da armadura original dos anos 80 como do trio de Policiais do Espaço. A nova versão deu mais destaques às esferas amarelas que agora recebem linhas. Dando uma impressão mais eletrotônica da coisa. A espada de MacGaren também sofreu transformação. Como fã do nosso amado "Ginga no Tarzan", estou babando até agora.

Mas o que é mais engraçado é que nas redes sociais tem gente achando que esse é outro MacGaren, como se fosse uma versão alternativa dele (a la Shadow Moon no filme de verão do Kamen Rider Decade). A saída é simples. A Toei tem o costume de jogar todos os seus heróis e dizer que fazem parte do mesmo universo. O próprio Junichi Haruta vai participar, mas até o momento apenas como seiyu. Ou seja, dublando o vilão transformado, segundo informações. Kenji Ohba também vai reprisar o papel de Retsu Ichijoji, o Gavan original.

Não custa nada reforçar e matar a ilusão: Hikaru "Seiki" Kurosaki não deve retornar ao papel por motivos que já estamos carecas de saber. Se Jaspion vai aparecer ou não, tudo pode acontecer se apenas trajando a Metal Tech Suit. Se assim for, algum seiyu terá dublá-lo. Mas Jaspion é quem menos importa nesse jogo do bicho. O que interessa mesmo é saber se MacGaren terá uma ressurreição coerente ou se vai ser mais um fanservice sem sentido. E já que ele está de volta, tem que rolar aquelas BGMs que tocavam em Jaspion sempre que aparecia. O delírio estaria garantido.

Bunka Pop comete erro crasso com o Homem-Aranha japonês

O Homem-Aranha da Toei

É legal ver a PlayTV abrir espaço para a divulgação da cultura pop japonesa (anime, mangá, tokusatsu, etc) na TV paga. E ainda mais quando são dois cosplayers carismáticos como a Moo e o Jack apresentando. Apesar da boa intenção, alguns deslizes de informação acabam passando. Coisas que dão pra perdoar. Mas não é o caso da edição desta quinta (1) do Bunka Pop sobre Spider-ManAssim como muita gente fala ERRONEAMENTE por aí, os dois também chamaram diversas vezes o Homem-Aranha da Toei Company de "Supaidaman".

Vamos por partes: uma coisa é a pronúncia em japonês pelo katakaná (alfabeto específico para palavras estrangeiras). Outra coisa é a romanização. Na série é mencionado mesmo o nome "Supaidaman" porque essa é a pronúncia deles para o termo ocidental "Spider-Man", que é o nome do personagem criado por Stan Lee. Portanto esse termo aqui no ocidente é oficial e o mais correto e adequado a se usar por aqui. Se é oficial, por que então usar o termo pela pronúncia em katakaná, sendo que esse é mais apropriado para os japoneses do que para os ocidentais?

Há quem diga que o termo é legal, bonito e coisa e tal e tal e coisa. Mas realmente não dá. Ficou bem estranho. Se for pra dizer "Supaidaman" então somos obrigados a chamar Spielvan de "Supiruban", Jetman de "Jettoman", Red Baron de "Reddo Baron", Ultraman de "Urutoraman", Power Rangers de "Pawa Renja" e por aí vai. Aliás, pergunta pra algum gringo como ele chama o aracnídeo japonês. É só ver, por exemplo, no recente crossover nos quadrinhos onde o herói japonês surge. O termo correto/oficial sempre foi e sempre será Spider-Man. Passar disso é apenas um mero hábito que veio do finado Orkut e que só e somente existe por aqui.

E mais: o planeta Spider se pronuncia "Supaida" em japonês. Leopardon se pronuncia "Reopardon" também neste idioma. Mas existem os termos oficiais em romaji que devem ser usados por nós que não moramos na terra do sol nascente. Tudo é questão de dar um Google e ver como isso funciona na prática. Japonês pode ser uma língua difícil, mas quanto ao alfabeto katakaná dá pra compreender numa boa sem ter grandes noções no idioma.

Ah, senti falta na edição do Bunka Pop de uma mencão básica sobre a vilã Amazoness, o detetive Juzo Mamiya e outros elementos que fazem de Spider-Man uma série legal e cheia de carga dramática assim como tantas outras séries tokusatsu como O Regresso de Ultraman, Jaspion, Metalder, etc. Isso poderia ser abordado no lugar dos bastidores do programa. Seria mais interessante um pouco mais de espaço para o bom e velho aracnídeo da Toei Company.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Blue SWAT e Bicrossers estreiam no Toei Channel em 2017

O trio Blue SWAT

Dezembro chegou e com ele as novidades de janeiro do Toei Channel. A partir do dia 5 de janeiro Kyodai Ken Byclosser (Bycrossers no Brasil) estará de volta à grande do canal pago do estúdio. Criação de Shotarô Ishinomori, a série de 1985 contava as aventuras dos irmãos Ken e Gin que lutavam contra o medonho Império Destler. A reprise dos 34 episódios acontece semanalmente às quintas-feiras, substituindo Kamen Rider OOO no bloco Ishinomori Gekijô.

Já no dia 27 será a vez do clássico Blue SWAT, série Metal Hero de 1994 (e inédito no Brasil). Totalizando 51 episódios, a trama gira em torno de um trio de agentes táticos que passam a lutar contra diabólicos seres espaciais. Será exibido às sextas-feiras numa maratona semanal de quatro episódios, das 15:00 às 17:00 JST. Esta atração substitui o anime clássico GeGeGe no Kitarô que deixa a programação em 20 de janeiro. Além disso, o Toei Channel trás de volta Machine Hayabusa, anime de 1974, nas noites de quarta-feira.

Ainda estão em exibição as séries tokusatsu Shinkenger, Power Rangers Megaforce (Super Megaforce a partir de 19 de dezembro), a série original de Kamen Rider, Dekaranger, Kamen Rider Wizard, Zubat e das animações clássicas Cutie Honey, Machine Voltes VAlbegas e Dororon Enma-kun.

Na programação de fim de ano, o Toei Channel vai exibir mais uma edição do Super Hero CLIMAX. Trazendo os filmes Kamen Rider × Kamen Rider Ghost & Drive: Super Movie War Genesis (de 2015), All Together! Seven Kamen Riders!! (de 1976), Kamen Rider Drive the Movie: Surprise Future (2015), Super Hero Taisen GP: Kamen Rider 3-gô (2015), além dos filmes dos summer movies de Kamen Rider 555 (Faiz) e Kamen Rider Blade e mais uma edição anual do Live & Show dos heróis da Toei. Bacana, hein?

Veja o trailer de Hurricane Polymar

Há algumas semanas atrás foi anunciado um filme lie-action de Hurricane Polymar. Um herói de uma série de anime produzida entre 1974 e 1975 pela Tatsunoko Productions (a mesma de Gatchaman, Time Bokan, Superbook, Macross, Zillion, Shurato, etc). Agora um teaser-trailer foi liberado e mostra um pouco do que poderemos ver a partir de maio de 2017. Dê uma olhada:



Junpei Mizobata é quem viverá o papel de Takeshi Yoroi, o alter-ego de Polymar. O elenco também conta com as participações da atriz Mikie Hara (Cutie Honey e Kamen Rider Fourze), Yuki Hamada (Gokaiger) e Yurina Yanagi. Koichi Sakamoto é quem está na direção e Onishi Shinsuke é quem assina o roteiro.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Tsuburaya revela novos detalhes sobre o spin-off de Ultraman Orb

As origens de Orb serão reveladas após o Natal

Não é de hoje que se falava de um spin-off do Ultraman Orb pelo canal de streaming Amazon Prime Japan. Agora finalmente detalhes são revelados. Ultraman Orb: The Origin Saga estreia no dia 26 de dezembro e a cada semana, todas as segundas-feiras, um novo episódio de um total de doze. Até o momento estão confirmados legendas em inglês e em alemão. Nada de vir ao Brasil por enquanto.

Esta prequel vai contar as origens de Gai Kurenai (o alter-ego de Orb) e de Juggler, que jamais foram contadas na série de TV e sempre foram mistério. Hideo Ishiguro e Takaya Aoyagi retornam aos seus respectivos papeis. A direção é de Kazuya Konaka e o roteiro de Yuji Kobayashi. Ambos já trabalharam em séries e filmes Ultra.

E pra entrar no clima, a Amazon Prime lançou para seus assinantes as séries Ultraman, Ultra Seven, O Regresso de Ultraman, Ultraman Ace, Leo, 80 (Eighty), Gaia, Cosmos, Nexus, Max, Mebius, Ginga, Ginga S, X e Orb. Além dos filmes Ultraman Story, Zearth 1 e 2, Tiga & Dyna: Os Guerreiros da Estrela da Luz, Cosmos First Contact, Cosmos 2: Blue Planet, Zero: A Vingança de Belial, Saga e os dois filmes de Ginga.

Ultraman Orb é exibido no Brasil pelo canal de streaming Crunchyroll. Um novo episódio sempre aos sábados a partir de 1h da manhã (de Brasília). Na mesma plataforma podem ser encontradas algumas destas séries citadas. Não deixe de conferir o guia atualizado do Ultraman aqui.

Veja o pôster de Ultraman Orb: The Origin Saga que traz o herói numa forma vermelha:



segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Audiência de Cavaleiros e Dragon Ball ainda é insuficiente

Goku e seus amigos ainda estão abaixo da média

Há alguns dias atrás comentei aqui no blog sobre a baixa audiência de Os Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball Z na Rede Brasil. Na primeira semana ambas as séries marcaram respectivamente média de 0.4 e 0.2 pontos - em média. Lembrando que estes números são referentes apenas à Grande São Paulo - e não em todo o Brasil como muita gente andou confundindo por aí. As informações são do Portal 4 (caso tenha dúvidas sobre a fonte, o autor é Guilherme Beralto que já passou pela RedeTV!).

Agora surge uma nova informação que Seiya e seus amigos tiveram um aumento de 54% de audiência e marcou uma média de 0.57 pontos entre 21 e 24 de novembro. Já Goku e sua turma marcaram 0.49 pontos neste mesmo período.

Apesar do aumento considerado, os números ainda são medíocres e poderiam fazer bonito. Cavaleiros e Dragon Ball eram pra marcar pelo menos uns 2 pontos. Nos tempos do extinto bloco TV Kids, da RedeTV!, a audiência bateu 5 pontos de audiência. Sendo que a média do canal costuma marcar 3 pontos.

Parece que a Rede Brasil está se contentando com pouco, mas a audiência bem que podia melhorar já que muita gente clamou pela volta dos animes na TV brasileira de forma oficial e no horário nobre, né?