sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Adaptações brasileiras de Chaves

Ainda estamos na semana dos 30 anos de Chaves no Brasil, e aqui vai um pequeno especial sobre algumas tentativas para adaptação do personagem para a TV brasileira. Nenhuma delas tiveram a pretensão de durar muito tempo, mas sim fazer referências/homenagens e imitar mesmo (que não é problema nenhum) o menino do oito. Então, acompanhe o desenrolar de cada um:

30 anos do SBT (2011)

Para comemorar o aniversário do SBT, a própria emissora do nosso "patrão" Silvio Santos resolveu homenagear com seu elenco. Algo ficou bem estranho, tipo ver o Ratinho interpretando o Seu Barriga, por exemplo (What?!). Tudo muito forçado, mas o que vale é a intenção, né?







MTV Brasil (2012-13)

No programa Comédia MTV, vários humoristas fizeram uma esquete bacana do Chaves. Destaques para Chiquinha e Dona Florinda interpretadas respectivamente por Tatá Werneck e Dani Calabresa (cuja ficou com uma voz parecida com a dubladora Marta Volpani). Marcelo Adnet como um policial foi demais. No segundo vídeo temos uma paródia feita por Hermes e Renato, centrado em Seu Madruga. Ficou um tanto estranho, então deixou pra vocês mesmos assistirem.

 



Globo (1992)

Na Escolinha do Professor Raimundo, tivemos uma rápida aparição do Chaves (Ferrolho e Fechadura). Foi interpretado pelo humorista Geraldo Alves, o Bill Bebes (paródia do Gil Gomes) no programa. Ficou uma graça. Vejam aí como ficou:




*Matéria sugerida pelo leitor Camilo Lelis Ferreira (Natal-RN).

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Kamen Rider Drive em coletiva de imprensa (AT)

Demorou, mais saiu enfim a coletiva de imprensa que oficializa de vez o novo Kamen Rider que vai ocupar a faixa matinal do bloco Super Hero Time em 2014-15 na TV Asahi. Kamen Rider Drive é 16ª série da franquia na Era Heisei, e a 25º ao todo. A estreia acontece no dia 5 de outubro a partir das 8:00 JST.

O roteiro em si é bem interessante. Um drama policial que envolverá mistérios e investigações. Algo que pode muito bem ser ligado ao Kamen Rider W, já que Riko Sanjô será o roteirista principal. Drive será o primeiro herói da era atual a possuir um carro-herói. Uma vez que Kamen Rider Black RX (que é da Era Showa) possuía também o mesmo tipo de veículo.

O tema principal intitulado "Surprise Drive" será interpretado por Mitsuru Matsuoka (o Kamen Rider Eternal) e a banda Earnest Drive. A produção é de Takahito Omori e direção de Ryuta Tazaki.



Saiba mais sobre o elenco e personagens:

  • Shinnosuke Tomaki (interpretado por Ryoma Takeuchi) - O protagonista da série que é um oficial de polícia faz parte de um departamento de investigações. Durante uma missão especial, presenciou a morte de seu parceiro. Após se afastar da polícia, descobriu o cinto Drive Driver, que o convence-o a se transformar em Kamen Rider Drive e lutar contra os Monstros Roimiyudo (não há ainda romanização oficial para os antagonistas).
  • Kiriko Shijima (Rio Uchida) - Uma policial que sabe da identidade de Drive. É fria de aparência e caráter.
  • Jun Honganji (Tsurutaro Kataoka) - Chefe da Divisão Especial do Departamento de Polícia Metropolitana de Tóquio.
  • Rina Zawakami (Rei Yoshii) - Ela é uma cientista em física eletrônica e é um membro honorário da Polícia de Tóquio. Auxiliará Shinnosuke para estudar sobre os poderes dos monstros
  • Genhachirou Otta (Koumoto Masahiro) - Inspetor assistente da Polícia de Tóquio.
  • Kyuu Saijou (Kenta Hamano) Cientista responsável pelo processo de comunicação.
  • Krim Steinbert (Christopher Daniel Peppler) - O inventor do Drive Driver e do carro Tridron.
  • Chase (Taikô Katono) - O rival de Kamen Rider Drive. Não se sabe se ele é originalmente um humano ou se é um Rider. Possui armas similares ao de Drive, mas usará o Viral Cores, ao invés do Shift Cars.

Confira agora as imagens da coletiva de imprensa:















segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Encontro dos Rangers Vermelhos divide opiniões; é pra fechar o debate

Austin St. John e Yuta Mochizuki no histórico encontro na Power Morphicon

Como já disse há semanas atrás aqui no blog, o encontro dos atores Austin St. John (Jason/Ranger Vermelho) e Yuta Mochizuki (Geki/Tyranno Ranger) veio pra selar e unir o que nunca foi separado de fato. Parafraseando, mostrar que Power Rangers e Super Sentai andam juntos sim, são uma coisa só na via comercial, porém de conceitos distintos. Uma vez que não dá pra dizer que Power Rangers e Super Sentai são a mesma coisa, mas sempre foram entrelaçados.

Há quem tenha torcido o nariz para o tal encontro no último final de semana na Power Morphicon. Okay. Mas o mesmo serviu pra mostrar que o verdadeiro fã americano de Power Rangers curte numa boa a adaptação como também curte o Super Sentai. O mais pacífico dos fã de Super Sentai não leva tão a sério a franquia japonesa a ponto de hostilizar uma versão que é facilmente de ser apontada como um "imitação da versão nipônica". Tanto é que o evento reuniu fãs marmanjões hardcore de ambas as franquias. Aliás, estes dois tipos de fã são um só e uma pena que exista apenas um terço do tipo no Brasil -- que ainda vive à beira de uma nostalgia imparcial.

A opinião foi dividida. Normal. Mas vendo pela internet afora, a coisa foi bem aceita e levada na esportiva. A minoria que não aceita, pouco se manifestou e não sabe o que dizer. Do pouco que se ouvia, tinham lá os mesmos comentários do contra. A verdade é que o "tratado de paz" chegou. Se as briguinhas em fóruns, redes sociais e afins sobre o tema já não faziam sentido algum, imaginem agora após o eventual crossover.

Claro que gosto é gosto e ninguém discute. Mas chegar a odiar Power Rangers é o mesmo que negar parte de uma infância/adolescência feliz. A nostalgia de Power Rangers e Super Sentai falam mais alto e uniu dois grandes atores de importância no universo pop dos super-heróis multi-coloridos.

Então, somos bem-vindos à uma nova realidade. Como essas "guerrinhas" bestas não passaram de uma farsa e coisa da imaginação infausta, não há mais nada para acrescentar ou que discutir sobre tal. O debate acabou. O caso está encerrado. O "muro" que dividia os inexistentes lados "A" e "B" do tokusatsu é uma teoria boba que caiu por terra e tem mais é que ficar no seu lugar.

Os vídeos a seguir são uma boa prova disso. Que venham os novos tempos de paz e entretenimento sem pecado e julgamentos entre Rangers e Sentais. E a vida segue adiante...


Warner Channel confirma exibição de quatro novas séries da nova temporada

Flash está garantido no Brasil para o final do ano na TV

A assessoria da Warner Channel confirmou a exibição de novas séries da temporada 2014-15 do primetime americano. São elas: Gotham, The Flash, Forever e Selfie.

Segundo informações da própria assessoria, Gotham e The Flash deverão estrear ainda entre setembro e outubro. A terceira temporada de Arrow (se nada mudar até lá) está garantida para estrear também nesta época. Atualmente a segunda temporada está sendo exibida no canal com episódio inéditos e dublados nas noites de segunda e terça-feira. Quanto as estreias de Forever e Selfie, ainda não mais detalhes sobre previsão de lançamento.

Ainda na Warner, esta noite haverá a exibição ao vivo do Emmy a partir das 21h. No pré-show, às 20h30, haverá o anúncio oficial com trailers destas quatro séries já citadas.

Os Mercenários 3 é o mais sisudo da franquia

Elenco principal do filme

Sim, o terceiro filme da trupe de Stallone e cia continua tendo toda a ação explosiva e espetacular de sempre. Só que este perdeu uma parte da essência que carregava nos filmes anteriores: a alta carga de comédia. O sarcasmo foi leve demais e quase não se arranca risadas ao assistir. Não teve um momento hilário que marcasse e ficasse na boca do povo como a clássica cena de Chuck Norris e a cobra que morreu com a picada. Em suma, o filme teve um clima mais sério e pesado.

Só quem salvava estes momentos como alívio cômico foi o Antonio Banderas como um novo mercenário atrapalhado, gago e que falava demais da conta. Praticamente um personagem "filler" que não foi o suficiente para equilibrar os elementos da série. Deu pro gasto de risadas, mesmo para um personagem de característica um tanto infantil.

Bem, o filme começa com uma pancadaria e muita explosão quando Barney Ross (Sylvester Stallone) resgata um amigo médico que estava preso. Era um veterano dos Mercenários conhecido como Doctor Death. Daí você pensa que o personagem de Wesley Snipes poderia ser mais desenvolvido no desenrolar da história. Nem chega a tanto.

A coisa fugiu de rumo com um dos heróis sendo atacado em missão. Logo Barney resolve aposentar seus homens para recrutar novatos em início de carreira. Isso para preparar uma emboscada contra Conrad Stonebanks (Mel Gibson), que é um antigo inimigo procurado pela justiça. O novo elenco não teve tanta expressividade e deixou a desejar. Você até clama pra que os veteranos voltem pra não ter que aturar uma certa vergonha ao passar da película. Pois eles sim são os antigos Mercenários e o Snipes tinha acabado de chegar. Alguém tinha que dar uma chance pro cara.

Não digo que o filme é ruim. É um bom divertimento, apesar das falhas. Vale ressaltar a introdução de Harrison Ford no elenco como o agente da CIA Max Drummer, algo como "substituto do Mr. Church (Bruce Willis). Outro ponto a ser discutido é a participação reduzida de Jet Li, coisa que vem acontecendo desde o filme passado. Arnold Schwarzenegger teve uma participação considerável e mantém seu carisma ímpar na franquia.

Quanto a dublagem brasileira, é parada preferencial para se assistir primeiro. Todas as vozes clássicas do elenco paulista e carioca se reuniram mais uma vez e mandaram brasa. Dispensa comentários.

E que venha Os Mercenários 4 e que seja bem melhor. Tomara que Jackie Chan, que confirmou sua presença recentemente, não faça feio ou fique de escanteio.

domingo, 24 de agosto de 2014

Há 30 anos estreava no SBT o seriado Chaves

Isso, isso, isso...

No dia 24 de agosto de 1984, a antiga TVS - ou mais conhecida atualmente como SBT, estreava a série mexicana de maior sucesso no Brasil e continua sendo um fenômeno de popularidade. Nem mesmo programas apelativos como Zorra Total (que está definitivamente com os dias contados) conseguiu se firmar no gosto como o Chaves. Mesmo sendo um programa antigo, com efeitos rudimentares (toscos), piadas simples/ingênuas, ainda é absolutamente atual e é um dos poucos programas da boa nostalgia dos anos 80/90 da TV brasileira a resistir o tempo e a qualidade. Continua invicto na nossa cultura pop.

Segundo informações, Chaves estreou numa sexta-feira como parte do programa do palhaço Bozo. O primeiro episódio seria "O Matador de Lagartixas", do ano de 1976. Há exatamente um ano atrás escrevi aqui no blog sobre o sucesso do garoto do oito até os dias atuais. E um dos grandes ingredientes do sucesso sem dúvidas é a aleatoriedade de episódios, uma vez que Silvio Santos nunca se preocupou com a ordem cronológica de Chaves e Chapolin. E o caso destes é uma exceção, pois nunca houve um ponto de obrigatoriedade onde mudasse o rumo da série. Sempre houve um "agora perpétuo" próprio. No mais, é sempre uma surpresa ver que episódio vai passar.

Logo nos primeiros anos, muitos pais torciam o nariz para esse tipo de programa, pois tachavam como sendo um programa "retardado demais" para as crianças. O tempo provou o contrário. Por ter um humor próprio que escracha com a ignorância (burrice, se preferir) de um menino de oito anos que teve pouco estudo e família desconhecida, continua a divertir antigas gerações que o acompanhavam e vem conquistando novos fãs. A maioria das histórias escondem uma moral que vai de encontro com determinadas situações do cotidiano, independente de época.

É por essas e outras que Chaves vai - sem querer querendo - perpetuar na TV brasileira. Aí do Silvão de pensar em tentar tirá-lo do ar mais uma vez, né? Hehehe! Não me envergonho de dizer que não me canso de assistir o Chaves sendo um marmanjo de vinte e poucos anos. E que venham mais trezentos anos pra a gente dizer "Lá vem o Chaves, Chaves, Chaves" e que estamos atentos olhando pra TV. 

Chavo Forever!!! Isso, isso, isso...

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Tony Almeida está de volta em 24 Horas

Tony faz sua primeira aparição desde a primeira temporada

Como extra do Blu-ray de 24 Horas: Viva um Novo Dia, será lançado um especial intitulado 24: Solitary (algo como 24 Horas: Solitário). O material será focado especialmente no veterano personagem Tony Almeida (interpretado por Carlos Bernard) que não aparecia desde o final da sétima temporada.

Com apenas 7 minutos de duração, 24: Solitary mostra Tony numa prisão após os eventos em que participou na série. O especial foi gravado em 30 de junho em Los Angeles e será lançado em 30 setembro.

Novo trailer do terceiro filme de Rurouni Kenshin

A Warner liberou um novíssimo trailer do filme Rurouni Kenshin: Densetsu no Saigo-hen (ou Rurouni Kenshin: The Legend Ends). No vídeo vemos eletrizantes, entre estas está o ponto alto do longa: a batalha final entre o antigo Batousai e Shishio. Assista agora e comece a arranhar as paredes de ansiedade:



O filme estreia em 13 de setembro no Japão.

Minority Report pode ganhar série de TV

Tom Cruise no filme Minority Report (2002)

Lembram do filme Minority Report? Aquele filme do diretor Steven Spielberg estrelado por Tom Cruise? Então, o site Deadline informou está em processo de andamento para o projeto de uma série de TV baseado no filme de 2002. A iniciativa é da Amblin Entertainment (estúdio do próprio "Tio Spiel"), e o roteiro fica a cargo de Max Borenstein - o mesmo do recente filme de Godzilla.

Assim como no longa, a série se passará em um "futuro próximo". Para quem não assistiu ainda, Minority Report se passa numa era onde os policiais contam com previsões do futuro para combater crimes antes mesmo destes acontecerem. O enredo seria algo que seria inspiração para a série americana Person of Interest.

Não há informações ainda sobre elenco e emissora.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Um pouco mais sobre Ao Haru Ride

Kou e Futaba em um dos eyecatches do anime

Alguém está acompanhando o anime Ao Haru Ride (lê-se: aoharaido)? Eu estou curtindo pra caramba. Confesso que tenho uma certa queda por animes românticos. E não é a toa que é um dos melhores da atual temporada de verão. Afinal, a série tem boa trilha sonora, enredo singelo e tem a nossa querida Maaya Uchida interpretando a personagem Futaba Yoshioka. Falei de trilha sonora, lembrei dos temas de abertura e encerramento do anime que de vez em quando entranham na minha cabeça. Respectivamente, "Sekai wa Koi ni Ochiteiru" e "Blue". Não esquecendo do tema de inserção "I will" da cantora Chelsy.

No começo achei que a história fosse tomar um rumo mais profundamente melancólico. O humor também é presente. Não de forma intensa, mas aqui acolá rola umas coisas engraçadas. Mais por parte da Futaba, que é bastante expressiva.

Atualmente está acontecendo uma reviravolta emocional por parte da protagonista que promete chamar atenção nas próximas semanas. Seria a frustração em ter que "disputar" com a sua amiga Yuri Makita que também se apaixonou por Kou Mabuchi. Seria um bom motivo pra se amarrar em acompanhar religiosamente toda a semana e ver como se dará esse engodo.

Pena que já passou da metade da temporada e já podemos sentir um gostinho de quero mais. Segunda temporada já.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Aldonah.Zero é um dos destaques deste verão

Ainda não falei nada sobre Aldnoah.Zero, um dos animes que estou assistindo nesta atual temporada. Embora não tenha conquistado o favoritismo deste blogueiro, estou gostando pelo surrealismo em meio à uma guerra espacial que envolve mechas. Produzido pela parceria entre as produtoras Olympus Knight e A-1 Pictures, a direção de Aldnoah.Zero é de Ei Aoki e a ideia original é de Gen Urobuchi. O último já trabalhou em animes como Madoka Magica e atualmente no tokusatsu Kamen Rider Gaim.

A trama começa em 1972, num universo alternativo, quando restos de uma antiga civilização de Marte são encontrados na superfície Lua. Com a tecnologia de teletransportação, a humanidade viajou para o Planeta Marte e passaram a habitá-lo. Com o passar do tempo, houve a colonização deste humanos, e desde então surgia o Império Vers.

Anos mais tarde, mais precisamente em 1999, O Império Vers declara guerra contra a Terra. Durante uma batalha, nosso satélite natural é destruído. Um certo tempo depois, um cessar-fogo foi autorizado. Agora em 2014, a Princesa Asseylum é atacada enquanto passava para uma missão de paz. Desencadeando então um novo ataque de Vers contra a Terra.

Aqui há um bom exemplo onde um anti-herói rouba puramente o protagonismo e com estilo. Slaine Troyard não precisa fazer muito esforço. Afinal, ele tem uma certa proximidade da princesa, sofre um certo preconceito por ser originalmente um terráqueo e servir ao Vers. É um personagem que tende a crescer bastante com o desenrolar da história por seu jeito misterioso. Slaine pode ser formalmente o segundo personagem principal, já que o estudante Inaho Kaizuka é o principal por nascer e viver na Terra. Mas falta uma construtividade maior que possa acrescentar ao mesmo, apesar que de ser emotivo, órfão e piloto de mecha.

Aldnoah.Zero estreou no dia 5 de julho pela TOKYO MX, indo ao ar nas madrugadas de sábado pra domingo (24:00~24:30) no bloco E!TV. No canal pago japonês AT-X é exibido com uma semana de atraso, às 18:30 de sábado. Estão programados 24 episódios, sendo que os 12 primeiros passarão até o dia 20 de setembro. Nas TV aberta japonesa, o anime será substituído pela série Fate/stay night.

No Brasil pode ser assistido (legalmente) via Crunchyroll.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Chummei Watanabe, a lenda viva das BGMs de tokusatsu

Watanabe completa 89 anos nesta terça-feira (19)

O Blog DAILEON continua no clima dos lançamentos do V-Cinema Uchuu Keiji NEXT GENERATION, cujo os especiais trarão Sharivan e Shaider da atualidade em breve com novas aventuras. Dando sequencia à série de matérias especiais sobre o universo dos Uchuu Keiji (Policiais do Espaço), nada melhor que falar sobre o compositor que deu vida às trilhas sonoras da trilogia e de vários outros tokusatsus e animes clássicos.

Michiaki Watanabe, ou também conhecido pelos pseudônimos Hiroshi Watanabe ou Chummei Watanabe, nasceu em 19 de agosto de 1925, na Província de Aichi. É formado em psicologia na Universidade de Tóquio. Sua paixão sempre foi a música e estudou composição clássica com o famoso compositor japonês Saburo Moroi (in memorian; 1903-1977), e teoria de jazz com Sadao Watanabe (81).

Michiaki fez sua estreia na CBC como autor de músicas para radionovelas. Se mudou para a capital japonesa em 1956 e compôs sua primeira trilha sonora para o filme Ningyo Sashichi Torimonocho Yoen Roku Shibijin, do diretor Nobuo Nagakawa (1905-1984). Watanabe passou a trabalhar em várias produções da cinematografia japonesa das décadas de 50 e 60.


Agentes Fantasmas, série exibida pela Rede Globo nos anos 60, 
foi a primeira série televisiva a ter a trilha sonora produzida por Watanabe

Do cinema, passou a trabalhar em produções para a TV japonesa. A primeira produção em que serviu foi com a série Ninja Butai Gekko (1964-66), cujo foi exibido no Brasil com o título Agentes Fantasmas, exibido pela Rede Globo entre o final dos anos 60 e inicio dos anos 70. Mas foi no ano de 1972 que ele passaria a deixar sua marca registrada no tokusatsu Jizou Ningen Kikaider e no anime Mazinger Z, ambos baseados, respectivamente, em obras dos mangakás Shotarô Ishinomori e Go Nagai.

Watanabe foi eclético em suas composições e arranjos para as BGMs. Seu currículo cresceu em composições para várias séries de tokusatsu como Inazuman, Dai Tetsujin 17, Gorenger, J.A.K.Q., Spiderman, Battle Fever J, Denziman, Sun Vulcan, Goggle V, Gavan, Sharivan, Shaider, Jaspion, Spielvan, Kamen Rider Black, Kamen Rider Black RX e Jiban (cujo teve trilhas próprias e outras reaproveitadas de séries antigas da Toei). Além de animes da franquia Mazinger, e outras série como Laserion, Transformers Z, Arbegas, etc.

Watanabe produziu novas BGMs para os filmes Kaizoku Sentai Gokaiger vs. Uchuu Keiji Gavan e Uchuu Keiji Gavan: The Movie. Ambos comemorativos para os 30 anos do primeiro Policial do Espaço da TV.



Cavaleiros - Produtor de A Lenda do Santuário vem ao Brasil


Segundo o site CavZodiaco, Yosuke Asama, produtor do filme Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário, virá ao Brasil para o lançamento do filme por aqui no dia 11 de setembro.

Desde 2000 na Toei Animation, Asama esteve trabalhando em animes como Os Cavaleiros do Zodíaco - A Saga de Hades e Digimon. Atualmente está envolvido no anime Marvel Disk Wars: The Avengers.

PS: Não perca as surpresas sobre os 20 anos de Cavaleiros em setembro aqui no blog. Aguardem!

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Dublagem de 24 Horas: Viva um Novo Dia comete erro grotesco na tradução do anti-penúltimo episódio

Alguém sabe quem foi o tal "amigo" de Jack que morreu no final do Dia 8? Alguém arrisca?

Neste domingo (17) a Globo exibiu mais dois episódios de 24 Horas: Viva um Novo Dia, e daquele jeito que comentamos aqui no blog algumas vezes. Por incrível que pareça, ontem não teve tantos cortes assim, mas a dublagem da Sigma cometeu uma gafe mortal na tradução e que mexe com todo o histórico da série.

Então, na cena em que Jack Bauer e Kate Morgan estavam no carro conversando sobre a morte de Adam - o marido de Kate, o ex-CTU fez uma menção sobre a morte de um "parceiro"/"amigo" que morreu há quatro anos (no Dia 8 pra ser mais exato) e que na época buscou vingança pelo mesmo.

Peraí. Como assim "amigo"? Se a gente rodar toda a oitava temporada de 24 Horas o tal referido por Jack trata-se nada mais e nada menos que falecida Renee Walker. Que ajudou o nosso anti-herói nas duas temporadas anteriores e que ainda teve uma manhã romântica com ele (sim, a única vez que Jack fez escala para o amor durante uma missão) antes de ser morta por um sniper. Lembram disso? Pois é.

Faltou atenção da Sigma quanto a este detalhe importantíssimo da trama. Será que não tinha ninguém lá que avisasse o estagiário? E não foi só a Sigma que errou na tradução. Quando o episódio foi exibido na Fox em julho, a legenda errou também na mesma tradução. Tudo bem que legenda dá pra escapar e ser corrigida depois (quando dá pra corrigir numa eventual reprise). Mas em dublagem a coisa é crucial e não tem retorno. Não é a primeira vez que 24 Horas tem erros de dublagem. A Mastersound contribuiu muito pra isso.

PS: E o Cheng Zhi já tem sua terceira voz na dublagem. Ainda prefiro o nosso Gilberto Baroli dublando o vilão.

sábado, 16 de agosto de 2014

Esqueceram de alguma coisa em Kamen Rider Gaim


Kamen Rider Gaim está chegando ao fim e alguma coisa foi deixada de lado. Ou melhor, duas coisas. Não sei vocês, mas há várias semanas que eu me encuco com as seguintes questões que não foram respondidas, e que ficaram apenas na premissa. 1) Qual a relação de Gaim com a Era Sengoku? 2) Qual é da tal Garota Misteriosa e a razão de sua semelhança com a Mai? Nenhuma dessas perguntas foram respondidas. De duas pode acontecer uma coisa: Ou tudo fica por isso mesmo ou vão deixar pro final, perigando ser tudo mal explicado e terminando nas coxas.

[SPOLIERS]

Deixo bem claro que gosto da série (e já me dá saudades), mas tá tendo muita encheção de linguiça (pra não dizer "filler") e elementos que não tão acrescentando em nada na trama, diretamente falando. O episódio 40 foi uma negação à parte. O que foi aquela alucinação da OverLord Redyue contra o Kouta (na forma Kiwami Arms de Gaim)? Tipo, o cara se viu transformando no Byakko Inves no lugar de Yuya, que estava sendo o Gaim nessa realidade alternativa. Foi constrangedor ver o Kouta assim. Tudo bem que o herói não sabe de nada e é inocente em várias situações. Principalmente em relação ao Mitchy. Ao invés desta situação tosca, poderiam melhorar mais este clímax resolvendo as questões acima.

Melhor responderem logo isso duma vez do que deixar tudo pra uma possível Movie Taisen no fim do ano.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Vale a pena assinar a Crunchyroll e digo o porquê

Outro dia eu falava sobre a importância da Crunchyroll em meio às ameaças do possível desaparecimento de fansubs e sites de 
streamings ilegais pela net afora (leia mais aqui) com a aprovação da nova lei de anti-pirataria no Japão. Isso se tratando, claro, dos animes atuais/recentes. Há alguns dias passei a assinar o serviço e hoje meio que darei, digamos, um breve "testemunho" em relação isso. Apresento aqui alguns pontos em destaque e mais uns comparativos com experiências com as fansubs que podem ajudar a esclarecer a quem ainda tem dúvidas. Veja:

1) Variedade de programação - Existe uma infinidade de animes no catálogo do serviço. E tudo isso pagando um preço de "arara", sem precisar se matar pra fazer downloads ilegais. Com um simples click, você pode assistir a vários episódios a hora que quiser. Comodidade? Se você prefere se deitar numa rede ou se sentar na poltrona para ver num aparelho de TV, nada que um bom cabo USB não resolva.

2) Legendas profissionais - Até onde percebe-se, não vi nenhuma adaptação fora de contexto como acontece muito em fansubs que dependem de sites gringos. Há algumas adaptações de termos e expressões para o português. Nenhum problema. Nada que uma boa butuca não ajude a ouvir e acompanhar o áudio original. Melhor do que ter que ler uns palavrões involuntários nos diálogos feitos pelas fansubs -- e sabendo que não tem nada disso no original japonês.

3) Transmissão simultânea e precisão de novo episódio - Há algumas séries na Crunchyroll que passam pelo simulcast. Ou seja, você pode assistir animes como Sailor Moon Crystal dentre outros em tempo real com o Japão. E sabe em quanto tempo demora pra sair a série legendada? Aproximadamente uma hora. E o que é melhor: você sabe a hora certa que o episódio chega lá. A pontualidade é britânica. Na lista de cada série atualmente no ar há o link do episódio seguinte e lá te avisa quantos dias/horas/minutos/segundos estará no ar. Diz aí qual fansub faz isso por você, né? Aliás, não precisa-se mais depender disso pra ter seu episódio daqui a tantas horas ou até dias/semanas. Particularmente já tive uns chiliques por não ver a série que eu queria ver no dia e desestruturar minha programação particular. Então, delay pra me deixar na mão? No more.

4) Opções de alta-definição - Você pode assistir alguma série em até 4 opções de resolução. Chegando até 1080p. Caso o seu navegador não suporte tudo isso, recomendo a opção de 480p ou 720p.

5) Episódios sem anúncios/publicidade - Essa é pra quem realmente tem conta Premium. Não há propagandas durantes os intervalos dos episódios, como poderia-se assimilar no formato de programação da TV japonesa. Por exemplo: se você for assistir ao primeiro episódio do Kuroko no Basket pelo serviço gratuito (onde há muitas restrições), há três intervalos. Um minuto pra cada. Depois de começar a assinatura de fato pelo Premium (no meu caso sou assinante do pacote de animes), assisti ao episódio na íntegra.

6) Adição de séries em lista (fila) - Ah, isso é justamente o que eu precisava e tem ligação com o terceiro item acima. Você pode selecionar os animes que você quer assistir em uma fila. Ao adicionar, cada uma das séries contam com o primeiro episódio para iniciar. Mas se você quiser ver o episódio atual, pode assistir numa boa que o episódio seguinte fica marcado na lista. E quando um novo episódio chegar, a Crunchyroll te avisa. Você pode configurar para não receber, caso não queira. Portanto, lá não há riscos de expiração de episódio.

7) Fórum e notícias - Para maior interação, há um fórum para opinarmos sobre o site e comentamos sobre as séries e novidades na cultura pop japonesa. Todo dia chegam também notícias sobre o mundos dos animes/mangás/dramas.

8) Apoio à indústria - E o mais importante pra essa bagaça que tanto curtimos: você apoia os estúdios de animação japonesa a continuarem produzindo as séries por uma via oficial.

OBS: Como nem tudo é perfeito, há algum ou outro anime que não consta no catálogo. O pode causar uma certa frustração aos "puristas" na hora de assinar. Na realidade, tudo depende de licenciamento entre a Crunchyroll e os estúdios. Portanto, paciência. Isso não depende diretamente do serviço em si. Embora haja esforço e empenho dos mesmos para levar ao público o melhor dos animes. Isso é questão de tempo e paciência.

Conclusão: Estou bastante feliz com a aquisição e não troco mais os animes que estão na Crunchyroll por fansub nenhuma. As que não estão por lá (ainda) continuo baixando, pois não há outro jeito até que entre de vez no catálogo. Olha, pense como isso tem me ajudado a economizar tempo no meu dia-a-dia e espaço no HD. Isso tudo pagando um "ingresso de cinema". (rsrs) E isso também vai me ajudar ainda mais ao ver séries que ficaram pendentes, rever outras que assisti nas últimas temporadas e acompanhar um novo episódio dos animes que acompanho no mesmo dia -- e sem depender de incidência de atrasos. Moral da história, fansub de animes é coisa da idade da pedra.

Sem querer fazer propaganda de graça, mas tenho que dizer: Tá esperando o quê? Faça já sua assinatura, mou! ;D

Novo filme de Power Rangers tem data marcada para lançamento

Os Rangers estão de volta às telonas em 2016

A Lionsgate anunciou em seu site oficial a data do filme que será o reboot da fase clássica Mighty Morphin Power Rangers. O filme está marcado para o dia 22 de julho de 2016 nos EUA.

Ainda não há informações sobre o lançamento no Brasil e nem qual será o enredo central do longa. Mais informações em breve. Por enquanto, vai um banner de divulgação do lançamento oficial:



quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Kamen Rider Taisen diverte mesmo com os velhos furos

O pioneiro Takeshi Hongo e os Showa Riders

O filme Heisei Riders vs. Showa Riders: Kamen Rider Taisen feat. Super Sentai foi lançado em DVD e Blu-ray no último final de semana, e consequentemente caiu na web. Alternativas à parte, pudemos assistir a mais um filme de crossover dos super-heróis da Toei Company e que no geral não quer dizer nada no final.

O que esperávamos do filme? Que fosse um mais um crossover sem nexo e com uma desculpa esfarrapada no final. E foi até. Só que com um pouco mais de história. Os velhos vilões que apareceram, morreram e voltaram das cinzas estão quase todos lá. Até deu pra ver de lampejo alguns que não víamos a muito mais tempo como Baraom e Bilgenia (Taurus no Brasil) de Kamen Rider Black. Quem esteve na liderança do funesto plano para colocar os Heisei e os Showa Riders pra brigar foi o Império Badan, que foi o clã inimigo de Kamen Rider ZX (lê-se: zêcross) há 30 anos atrás. A intenção de Badan foi inverter os mundos dos vivos e dos mortos.


Showa Riders em destaque

Sabe aquele plano de enganar o aliado pra enganar o inimigo? Então, a mesma desculpa que vimos no Super Hero Taisen e outros surubões do estúdio está lá. A começar pelo ator Shun Sugata interpretar o vilão Embaixador das Trevas (Kurayami Taishi em japonês) e logo depois sair de seu "disfarce" e mostrar que era na verdade Ryo Murasame/Kamen Rider ZX. E O Generalíssimo de Badan (Badan Sotô) sabia dos planos. O protagonismo de ZX fica mais pro final do filme, como parte de uma comemoração de aniversário do especial de TV 10-gō Tanjō! Kamen Rider Zen'in Shūgō!! (exibido exibido em 3 de janeiro de 1984 pela TV Asahi). Inclusive, a versão recauchutada da música "Dragon Road", cantada por Akira Kushida, é bacaninha.

O ponto forte da trama foi a interação e rivalidade entre Takumi Inui/Kamen Rider Faiz e Keisuke Jin/Kamen Rider X. O jovem da série 555 teve que lutar contra seu próprio passado (teve até flashbacks) pela morte de Masato Kusaka/Kamen Rider Kaixa.

Kamen Rider Taisen teve breves participações de Tsukasa Kadoya/Kamen Rider Decade e do vilão Narutaki. Que continua sendo canastrão e sem dizer ou saber o que realmente ele é, faz ou o que quer no final das contas. O estranho é que Tsukasa estava mais pra ajudar do que ser misterioso. Bem atípico dele. Foi até interessante pra quebrar o gelo. Curti também a aparição do Shotarô Hidari/Kamen Rider Double. O cara é engraçadíssimo demais. Teve até um lampejo do chinelo da Akiko. A luta entre Joker e Baron contra Black e Black RX também foi um dos melhores momentos. Por curiosidade, o Black chegou a substituir o Stronger dentre os Sete Riders Lendários.


Kamen Rider Fifteen

Como manda a tradição, tem que ter algumas coisas bem fora de nexo num filme desses da Toei. Em tempo, quando foi que os irmãos Kureshima -- da série do Gaim -- lutaram juntos? Até à época, não lembro disso ter acontecido. As aparições de Daigô Kiryu/Kyoryu Red e dos ToQger foi totalmente dispensável. Entraram de gaiatos no navio. (rsrs) Apareceram pra dar o ar de suas graças e nada mais do que isso. Até o Kamen Rider "Momotaros" Den-O lutou junto dos heróis contra O Generalíssimo de Badan na sua "forma perfeita". Não posso esquecer do Kamen Rider Fifteen que usava Lock Seeds dos Heisei e dos Neo-Heisei Kamen Riders. Não chega a ser um grande vilão. Pena que não usou todos os poderes dos 15 Riders.

Enfim, tivemos a participação do ator Hiroshi Fujioka como Takeshi Hongo/Kamen Rider 1-gô. Um novo henshin do herói após 38 anos do especial de TV Zen'in 7-gō! Shichinin no Kamen Rider!! (exibido em 3 de janeiro de 1976 pela NET [atual TV Asahi]). Uma pena que o herói foi pouco aproveitado, mas ainda assim conseguiu chamar atenção diante a sua liderança aos Showa Riders. Como já sabemos, quem vence a guerra são os Heisei. Decidida numa votação interativa pela internet. Mas não senti tanta emoção neste final, pois o perdedor teria que assumir a derrota e depois todos se cumprimentam, contemplam o pôr-do-sol, tudo acabou em pizza e ficou por isso mesmo. Mais um fan service serviu de caça-níquel.

Apesar dos pesares, Kamen Rider Taisen consegue agradar. Você até esquece que já viu umas bizarrices em filmes como All Riders vs. Dai Shocker, Let's Go Kamen Riders, Super Hero Taisen, etc. O filme é digno de uma "Sessão da Tarde" da vida pra se entreter e nada mais.

Primeiras imagens de Kamen Rider Drive

Depois de muita espera, saíram as imagens daquele que será o 16º motoqueiro mascarado de 2014-15. Kamen Rider Drive tem imagens oficias reveladas. A qualidade não é uma das melhores, mas vale pela curiosidade. As scans vem de um catálogo de brinquedos onde apresenta o visual do novo herói.

Normalmente o anúncio oficial deveria acontecer em meados de julho, como vinha acontecendo desde a mudança de calendário de estreias com o início da fase dos Neo-Heisei Kamen Riders (de W pra frente). Segundo informações não-oficiais, Kamen Rider Gaim deve terminar em setembro com 47 episódios.

Chega de papo e veja as imagens a seguir:



Definitivamente, Silvio Santos é o pior arqui-inimigo de Jack Bauer

O "Homem do Baú" derruba a audiência de 24 Horas pelo quarto domingo consecutivo

É, amigos. O nosso querido "patrão" Silvio Santos tornou-se o inimigo número 1 de Jack Bauer. Isso tratando-se em termos de TV aberta brasileira, claro. Pra quem não está acompanhando essa briga, desde a estreia de 24 Horas: Viva um Novo Dia em julho passado, a Globo vem perdendo a audiência pro SBT. Daí a razão para a mesclagem de dois episódios por semana e a pressa pra acabar antes do previsto. Originalmente encerraria no final de setembro.

Neste domingo (10) a disputa teve a maior diferença. Silvio conquistou 12,7 pontos contra 9,0 do ex-CTU. Os números são da Grande São Paulo. Isso não quer dizer que a temporada atual da série seja ruim. Muito pelo contrário. Talvez a falha seja por uma falta de uma divulgação maior e uma expectativa maior como foi feita pelas Fox americana e brasileira. Quem acompanha agora pelos reclames do "plim-plim" talvez nem imagine a importância do hashtag #JackIsBack ou da expressão "mother of year" para a vilã principal.

Gosto do Silvio Santos e do carisma do apresentador, embora não tenha acompanhado-o tanto ultimamente. O programa continua seguindo os velhos formatos e alguns mais recentes. Incluindo as famosas pegadinhas. Talvez o público procure-o mais pelo seu jeito alegre/divertido, ao invés de uma série dramática, cheia de tensão e - para os leigos - complicada de acompanhar. Enfim, pode-se considerar isso como um feito histórico nas vésperas de sua possível aposentadoria em dezembro próximo.

Sobre 24 Horas: Viva um Novo Dia, noutro dia eu havia comentado sobre os cortes que a Globo vem fazendo na série (leia mais aqui). E no domingo passado a coisa foi horrenda. Tipo, no episódio em que o Presidente Heller se entrega à terrorista Margot Al-Harazi, a Globo cortou a cena do anoitecer em Londres e da vista noturna do helicóptero sobrevoando a cidade. Quem está assistindo só agora, perdeu toda a emoção. Aliás, nem faz ideia de como teria sido. Continua sem graça toda essa exibição.

Sinceramente, independente de ganhar ou perder, a Globo deveria deixar de lado essa birra besta por umas míseras diferenças de pontos e honrar a exibição de 24 Horas como realmente merece. Mesmo que fosse nos mesmos moldes como foi apresentada regularmente nas temporadas anteriores.

Ainda assim, continuo acompanhando de perto a transmissão e mais essa tortura que Jack vem levando todo domingo. Faltam mais dois finais de semana pra essa "guerra" acabar. Bem, talvez um simples "ma oê!" do Silvão seja um baita duma dor de cabeça pro ex-agente. Pobre Jack.


terça-feira, 12 de agosto de 2014

Robin Williams será sempre eternizado como a babá engraçada

Robin como a Sra. Doubtfire

Hollywood e está de luto com a morte repentina e prematura de Robin Williams. Ele se foi aos 63 anos e deixou um legado de bons filmes. Começou sua carreira na série de TV do também saudoso Richard Pryor (do filme Cegos, Surdos e Loucos) e seguiu para a série Happy Days e em seguida para o spin-off do mesmo programa chamado Mork and Mindy. Protagonizou três especiais de stand-up comedy nos anos 80 pela HBO.

Mas foi no cinema que o ator se consolidou. Robin fez grandes filmes e é impossível não deixar de gostar do seu humor simples e cativante. Dentre tantos outros filmes, certamente a mais memorável, ou porquê não o carro-chefe de sua carreira, é no filme Uma Babá Quase Perfeita (Mrs. Doubtfire, 1993). Foi um filme que marcou toda uma geração noventista e futuras. Você pode assistir várias vezes este mesmo filme que o escracho e o choro são certeiros. Sem dúvidas foi o melhor de sua carreira e fica a frustração por não podermos ver sua continuação que estava sendo planejada para o futuro.

Robin Williams também teve ótimas performances como em Jumanji (1995), Gênio Indomável (1997), Patch Adams (1998), O Homem Bicentenário (1999) e tantos outros.

Seu último trabalho no cinema foi para o filme de animação Happy Feet 2, em 2011, como o personagem Amoroso (dublado por aqui pelo cantor Sydney Magal). Na TV foi na série The Carzy Ones onde protagonizou uma única temporada em 2013-14.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Seja sincero! Você assistia Power Rangers na infância

Qual criança dos anos 90 nunca gritou "É hora de morfar!"?

Em vésperas de chegada do primeiro Super Sentai oficial em terras norte-americanas (leia aqui) e visita de um Ranger Vermelho original japonês (leia também aqui), nada melhor que uma boa pensatinha temporal sobre o assunto. Talvez você possa ser mais um a dizer que odeia Power Rangers. Mas voltando 20 anos no tempo, será que alguém realmente odiava tanto assim os heróis adolescentes de Alameda dos Anjos como hoje em dia? Lá no fundo da alma, há alguma coisa que admite que todos nós gostávamos. Certo? Pelo simples fato de ser uma produção americana que serve de adaptação dos autênticos esquadrões japoneses, pode despertar uma ira de algum ou outro fã hardcore de tokusatsu. Mas não dá pra negar que a franquia americana tem uma certa importância.

- Lenda urbana velha sobre Android ainda assusta cristãos

- O futuro dos animes no Brasil chama-se Crunchyroll


Gente, de boa, vamo falar a verdade. Quando a série estreou no Brasil em meados de 1994 na Fox e no ano seguinte pelo saudoso programa infantil TV Colosso da Rede Globo, quem por aqui sabia o que era Super Sentai pra guardar tanta amargura como agora? Acompanhe meu raciocínio: da franquia japonesa, passaram no Brasil apenas Changeman, Flashman, Goggle V e Maskman. Na época, não sabíamos que isso fazia parte de uma grande franquia japonesa e que rapidamente ficou combalida em nosso país, um pouco antes da estreia dos guerreiros de Zordon. Isso já é um detalhe importante. E, por acaso, chegaram os Power Rangers na TV brasileira. E é preciso que se diga: todo mundo que assistia aos Sentais originais, até então, passou a acompanhar Mighty Morphin Power Rangers com a mesma intensidade que se via os tokusatsus e principalmente Os Cavaleiros do Zodíaco, que fazia uma febre acima de 40 graus por aqui. Aliás, as duas séries citadas disputavam a preferência da molecada. Nem adianta fugir desse fato.

Quando veio a histórica décima edição da lendária Revista Herói, em fevereiro de 1995, ampliamos nossos conhecimentos sobre as origens dos Super Sentais e da origem dos Power Rangers. O que era desconhecido para nós até então. De nenhuma forma foi gerada um ranço por isso (com exceção de VR Troopers e Masked Rider -- e não tiro essa razão!). Pelo contrário, ficávamos curiosos pra conhecer as séries originais. Nem imaginávamos que poderíamos assisti-los num então futuro próximo, graças à ascensão da internet. Enquanto isso, todo assistia Power Rangers com a mesma empolgação que se via um anime/tokusatsu na distante década de 90.

E quando nasceu mesmo toda essa raiva então? Tá certo que alguns redatores da imprensa especializada diziam que Power Rangers era uma "picaretagem". Mais tarde, nos primórdios das redes sociais brasileiras (o Orkut sediou a culminação) foi semeada uma concepção de que o fato de séries japonesas inéditas não passarem ou os tokusatsus da geração Manchete não passarem mais é por "culpa dos Power Rangers e do Haim Saban". Em parte, procuravam um "Judas" pra queimar e daí se via um monte de comunidades que diziam odiar isso ou aquilo. Em outra, essa tal "verdade" é totalmente distorcida e vem sendo mal informada até hoje, como se cria correntes e fofocas tresloucadas no Facebook.



Se não passam mais tokusatsus clássicos que passavam na TV brasileira e de forma oficial (nem me peça pra citar aquela emissora horrenda que passa as séries clandestinamente como oficial, porque não é!) é por falta de interesse dos canais majors e de alguma licenciadora que acerte a mão com um marketing mais agressivo. Nesse meio tempo, mais precisamente em 2009, passou Ryukendo na RedeTV!. Sem generalizar, cadê os nostalgistas/mancheteiros de plantão pra dar força ao mercado nacional de tokusatsu na época? Respondo: reclamaram por não ser um "Jaspion" da vida e ajudaram a destruir o próprio gênero que se dizem defender como fogo e paixão. Verdade seja dita. Fico pensando como seria se a mesma série tivesse passado na Manchete, caso ainda estivesse no ar. Com certeza o pensamento destes seria diferente, porque estaria "passando na Manchete! Woohoo!" e porque seria "na Manchete! Woohoo!". Ah vá!

Voltando sobre Power Rangers, conheço muita gente que não gosta, mas manja alguma coisa sobre a série e até escorrega em ver uma reprisezinha na TV. Como também conheço muita gente que gosta de ambas as versões e trata isso de forma descontraída. Tá certo que gosto não se discute. Tenho boa vivência com todo tipo de opinião. Agora, alguns dizerem que não assistem "pra defender a causa dos Super Sentais" ou que "nunca" assistiu na época, e ainda fazer pirraça em fóruns e grupos de discussão pra fazer confusão? Poxa, aí é dose.

Puxe pela memória: mesmo sabendo dos Super Sentais, dava pra brincar disso, conversar sobre o assunto na escola. Era divertido à beça. Eu também fui hater por cerca de uns 3-4 anos. Mas nunca disse que não assitia ou que não gostava de PR na infância. Confesso que estava saturado por ver sempre as mesmas temporadas de PR e não tinha ainda como ver séries de tokusatsu. Mas o lado da razão falava mais alto e com o tempo vi que essa raiva era uma tremenda duma bobajada sem sentido. Gosto de Power Rangers ainda e pronto. Apesar de minha paixão ser sempre para o lado oriental da coisa.

Em tempo, Haim Saban está sendo esperto ao lançar Zyuranger nos EUA e chamar Yuta Mochizuki na Power Morphicon. Tudo bem não querer admitir que, comercialmente falando, Power Rangers e Super Sentai são um só produto. Mas se tem uma coisa inegável nesta história é que Power Rangers sempre fez e sempre fará parte da memória afetiva do fã brasileiro de Super Sentai. De um jeito ou de outro.

Rivaille ganha sua própria história em Shingeki no Kyojin

No próximo dia 8 de agosto será anunciada oficialmente na edição de #14 do mangá de Shingeki no Kyojin (Attack on Titan ou Ataque dos Titãs) o spin-off intitulado Shingeki no Kyojin Gaiden: Kuinaki Sentaku, cuja adaptação para o anime já está sendo trabalhada. A história nada mais é que um a história centrada no Cabo Rivaille.


O especial será dividido em duas partes, com previsão de lançamento para os dias 9 de dezembro e 9 de abril de 2015. Quando haverá os lançamentos das 15ª e 16ª edições do mangá, respectivamente.


A história deve responder perguntas quanto ao passado de Rivaille. Como ele saiu do submundo do crime e se torna o soldado mais forte da humanidade. Também deve ser explicado como o Comandante Erwin tornou-se um líder frio e calculista.


Quanto à segunda temporada do anime, está confirmada para 2015. Porém não há ainda data definitiva para a estreia.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Pôster do próximo filme de Samurai X

Atualmente nos cinemas japoneses está em cartaz o filme Rurouni Kenshin: Kyoto Taike-hen, o segundo da trilogia da série live-action de Samurai X para às telonas. Aliás, o filme bateu o recorde de melhor estreia de um filme nacional apenas em 2014. Os números chegaram aos 820,000,000 ienes apenas nos três primeiros dias. O filme estreou na última sexta-feira (1).

Hoje foi divulgado um teaser-pôster do terceiro e último filme intitulado Rurouni Kenshin: Densetsu no Saigô-hen, que estreia por lá no dia 13 de setembro. Veja como ficou:


terça-feira, 5 de agosto de 2014

Lenda urbana velha sobre Android ainda assusta cristãos


Tá certo que é um assunto meio antigo, mas como tem gente que ainda não sabe do que se trata, então trago o assunto em pauta pra comentar hoje. Em fevereiro de 2013, um grupo de um determinado canal no YouTube do gênero gospel acusou o sistema operacional Android por ter "pacto com o demônio".

Isso porque ao clicar várias vezes seguidas na versão de firmware de um Smartphone do sistema, aparece a imagem do robô-mascote do Android -- que segundo o vlogueiro seria "assimilado" ao demônio (where?! o.O) -- ao lado de um boneco de biscoito enraivecido e de uns zumbis. Segundo o que foi afirmado, haveria uma "consagração demoníaca por trás destes aparelhos para escravizar as pessoas e evitar que haja comunhão com a família, com amigos, e principalmente com Deus". Com essa tal alegação, a conclusão - precipitadamente - tirada foi de que o vício que as pessoas em geral teriam pelo aparelho é devido ao futuro surgimento do anticristo (que é legitimamente relatado no livro bíblico do Apocalipse para os últimos dias). Veja o vídeo e entenda o nefasto causo:


Resumindo a apuração da história: Nenhuma afirmação foi comprovada desde então. Simplesmente os irmãos se precipitaram ao fazerem tais acusações. O que é bem natural de parte de alguns do meio se escandalizarem e tirar conclusões sem ao menos ter uma fonte de pesquisa confiável. Na época, a falsa polêmica teve uma repercussão de 90 mil visualizações em apenas três dias.

Na realidade, a imagem é apenas um dos easter eggs ("ovos de páscoa" em inglês) que há nos celulares e tablets do Android. O termo é usado na informática para qualquer coisa oculta (tirem o peso sombrio dessa palavra, por favor!), podendo ser encontrado em vários tipos de sistema virtual. Ou seja, é um segredo cibernético. Bem diferente e há uma distância enorme com o conceito de mensagem subliminar. E é até "pecado mortal" confundir com esse tipo de coisa. Existem vários destes no Android bem mais bonitinhos que a imagem acima. É só fazer uma pesquisa aprofundada na internet que não dói e não faz mal a ninguém.

A arte foi criada pelo artista Jack Larson, que por sinal é aficionado por zumbis e cria desenhos do tipo. Tais artes podem ser vistas em seu blog, o Zombie Art. Por conta da famigerada lenda urbana, o mesmo foi constrangido ao descobrir o vídeo na mesma semana. Mais detalhes vocês podem ler no site E-Farsas e mais sobre os segredos dos easter eggs no site da Tecmundo.

Por que estou tocando nesse assunto antigo e já solucionado? Qual a finalidade da abordagem, agora? Simplesmente porque não suporto mais esse tipo de informação IRRESPONSÁVEL chegando no meio cristão e ver meus irmãos sendo enganado por esse tipo de mexerico! Principalmente no meio evangélico. Outro dia estava de passagem num determinado grupo religioso que participo em uma rede social e alguém postou o tal vídeo. O que chamou a atenção e causou pânico (sem ofensas) em muita gente desavisada. Gente que não pesquisou, que não se aprofundou, e que caiu mesmo na onda do espiritualismo do momento sem discernir a veracidade do fato.

Gente, estamos em pleno século XXI e poucas são as pessoas que sabem realmente fazer o bom uso de pesquisas na internet. É um fato triste/lamentável na sociedade brasileira. Mais pavoroso ainda é que há pessoas que ainda usam textos isolados da Bíblia Sagrada pra tomarem conclusões errôneas ou pra gerar umas discussões descontextualizadas, que fogem das Sagradas Escrituras como lhes convém. Fato.

Antes que perguntem, sou cristão-evangélico praticante. Há cerca de duas décadas já ouvi todo o tipo de histórias do tipo no meio do povo. A maioria destas criadas pelo vergonhoso (que nem merece ser chamado de pastor) Josué Yrion. Parece que o homem deixou seus "aprendizes" por aí depois que foi processado pelas empresas que danou moralmente, e abandonou o velho "pega na mentira" para se consertar no evangelho. É incrível como ainda há pessoas que se deixam levar pela emoção de um boato qualquer e não procuram ter conhecimento antes de acusar. As coisas não são conquistadas com teorias conspiratórias, mas com muito trabalho e suor. Nem preciso citar as várias lendas urbanas que conheço, pois daria uma baita duma série de matérias do tipo em vários segmentos da cultura pop que acompanho de perto, e eu saberia desmentir no ato.

Veja bem: não estou falando isso pra defender e nem atacar o artista. Embora eu ache que não precisasse de uma imagem tão "assustadora" assim. E nem por isso vou criar argumentos fundamentalistas pra acusá-lo de satanismo, pois não tenho meios pra fazer isto. Como também os tais irmãos não tiveram e nem vão ter moral pra isso. Estou levantando o assunto, pois esse tipo de coisa é intragável nas igrejas. Isso é o que leva muitos cristão de várias denominações religiosas a errarem feio, por falta de conhecimento. É claro que não são todos os evangélicos que criam e se enveredam na boataria. Como sou cristão e convivo com muitos destes, sei que há pessoas de boa moral e que buscam equilibrar a visão material e espiritual. Pois aprendi nestes anos todos que se não houver equilíbrio entres as respectivas, ou há de haver incredulidade ou há de haver fanatismo. Não tem por onde correr.

Parafraseado, assim que ouvirem ventos de falsas lendas para assustar as pessoas, façam como os crentes de Bereia que buscavam na Palavra. No caso desta confusão, pesquisem mais e busquem conhecimento. Não há desculpa para não fazer isso nos tempos de hoje. Sendo mais ousado, use também o Android para essa finalidade. Se há vício em usar, modere ou deixe de usar para sempre. Simples assim. Não é porque uma pessoa venha a passar o dia com celular na mão que ele seja realmente "dominado pelas trevas". Só falta dizerem e tentaram fundamentar pra mim que Facebook, WhatsApp são feitos por "servos do mal". Ah vá!

É inadmissível esse tipo de coisa entre os cristãos. Se tem coisa que tenho aversão é fanatismo e atos de má fé. Eu fico indignado com isso!

PS: Não tolero comentários ofensivos contra minha fé e religião.

Pitaco - A estreia de Fabiano Cavalcanti na FM 93 foi acima do ótimo


Neste domingo (3) o locutor cearense Fabiano Cavalcanti estreou em nova casa. Da Jangadeiro FM (88,9 Mhz de Fortaleza) passou para a FM 93, onde agora apresenta o programa O Som do Rei. Para quem nunca ouviu falar, Fabiano é o maior expert sobre o rei Roberto Carlos aqui na capital alencarina. Sou suspeito pra falar, pois ele é amigo deste blogueiro e da família. Já é tradição da casa (a minha, né?) escutá-lo nas manhãs de domingo. Nas primeiras edições da coluna Pitaco, escrevi sobre ele (leia mais aqui).

Fiquei surpreso ao saber da mudança de emissora. E onde quer que Fabiano vá, sempre terá o ouvinte fiel aqui pra ouvir seu programa. Acordamos cedo pra conferir a estreia desde o primeiro minuto. Pontualmente às 4h56 da madrugada começava O Som do Rei.

A vinheta-jingle é a mesma curtinha de anos atrás. Começava então o programa com a mesma montagem de abertura que acontecia na Jangadeiro. Resumindo, o programa teve o mesmo formato que seguia antigamente. Mesmo carisma, mesma simpatia, mesma alegria. E isso nunca pode mudar, pois são estas qualidades que Fabiano possui para conduzir o programa dedicado ao Roberto. Senti falta apenas da vinheta dos gritos de galera, pois esta é um material próprio da Jangadeiro. Isso é o de menos.

Fabiano recebeu as felicitações de Samantha Marques, que apresenta diariamente o Disque e Toque nas manhãs da 93 há 28 anos. Samantha também apresentava o Som do Rei apenas em passagens gravadas. Também recebeu as saudações de seu amigo Dudú Braga, o filho do rei e que apresenta o programa As Cancões que Você Fez pra Mim há 12 anos nas manhãs de domingo na mesma emissora. Curiosamente, os dois competiam na faixa dominical das nove às dez da manhã. "Competir" seria uma definição um tanto agressiva. Afinal, os dois são amigos e ambos apresentam programas sobre Roberto Carlos. Não há rivalidade entre eles, muito pelo contrário. Agora o fã do rei e o Segundinho formam uma dupla imbatível.

Torço pra que Fabiano faça o mesmo sucesso na nova emissora. A tendência é multiplicar a audiência. Isso porque a 93 já tinha seus ouvintes fieis aos domingos de manhã e agora poderão conhecer melhor a condução de Fabiano na programação. Sem contar que os ouvintes que o escutavam na Jangadeiro já migraram pra lá deste o último fim de semana. A audiência será mais que uma pancada.