sábado, 24 de junho de 2017

Toei desrespeitou Jaspion por participação reduzida em Space Squad?

A primeira aparição de Jaspion em mais de três décadas (Foto: Reprodução)

Nem preciso dizer que era totalmente previsível a reação dos saudosistas da Manchete em relação à pequena participação de Jaspion no filme Space Squad: Gavan vs. Dekaranger. Sem recriminar ninguém nem nada do tipo, mas estamos falando de um público que não curte de verdade tokusatsu e sim as séries japonesas que passaram na Manchete. Entenda, nada contra quem curte esses clássicos pois também assisto até hoje. O problema é a falta de atualização e de atenção dos mesmos.

Desde o anúncio oficial em dezembro passado que foi avisado que Jaspion teria uma participação reduzida. Mesmo assim, teve gente que aparecia na internet dizendo que era um "filme do Jaspion" e coisas do tipo. Uma tremenda ilusão. O filme é um crossover entre Gavan e Dekaranger (como o título sugere). Jaspion foi coadjuvante. E acredite. A celeuma foi maior quando o filme saiu. É fácil encontrar nas redes sociais comentários como:

- "Isso é um desrespeito ao Jaspion."

- "Por que Gavan faz mais sucesso que Jaspion?"

- "Jaspion é mais forte que o Gavan".

- "O Daileon é mais bonito que a nave do Gavan."

- "Jaspion é o melhor."

- "Em qual parte do filme o Jaspion aparece?"

- "Vou assistir só pra ver o Jaspion."

- "Jaspion, Jiraiya e Jiban aparecem."


É mais ou menos esses causos que a gente vai encontrar fácil fácil no fandom brasileiro. Então, vamos contextualizar por partes:

Os primeiros Ultraman, Kamen Rider e mais Akarenger (o líder de Gorenger) são considerados cult no Japão, uma vez que são pioneiros de suas respectivas franquias. Eles tiveram participações pequenas/medianas e houve sitauções em que os atores que viveram originalmente estes personagens no passado não apareceram. Foi o caso de Susumu Kurobe, por exemplo, que não voltou a interpretar Shin Hayata no filme do Ultraman X. Aliás, a forma humana nem apareceu no filme e sequer a voz de Susumu foi emprestada para o gigante prateado. Falta de respeito com o herói cinquentenário? Não mesmo. Susumu Kurobe está meio que afastado das gravações devido sua idade avançada. O que não o impede de um dia voltar a participar de alguma produção (nesse caso, seria apenas uma ponta, por motivos óbvios). O mesmo vale para o Jaspion voltou a aparecer após 31 anos de seu episódio final.

Sobre Gavan: Ele é um cult, pois é o primeiro Metal Hero e isso foi devido ao seu sucesso que, na época, foi quase imediato. Gavan veio de uma influência de clássicos cinematográficos como Star Wars. Foi a salvação financeira da Toei que passava pela sua segunda crise de criatividade. Explico melhor nesse texto que escrevi em março.

Sobre Jaspion: Ele é um cult para nós brasileiros. Para os japoneses ele é só mais um herói como tantos outros da franquia Metal Hero. Não foi um fracasso e teve sucesso mediano. Porém sem a mesma popularidade de Gavan e essa sorte o Tarzan Galático teve mesmo só e somente aqui no Brasil. Em 2015 escrevi também sobre os bastidores de Jaspion aqui no blog.

Outra coisa: tem gente que acha que Jaspion é o mais forte que os Policiais do Espaço. Não é por aí. Não curto muito esse tipo de comparação, pois as conclusões são exageradas e injustas na maioria das vezes. Se você prestar bem atenção, Jaspion passou por situações parecidas que a dos seus antecessores. Por exemplo, Sharivan quase foi morreu nas mãos de Shouri Beast naquele episódio onde aparecem os Irmãos Bengel (ou "Brasas" Bengel na dublagem) e conseguiu superar a situação antes que fosse derrotado. O mesmo vale para a vez em que Jaspion quase morreu nas mãos de Zampa. Esse tipo de coisa é um elemento chamado "deus ex machina", onde o roteiro favorece que o herói principal vença mesmo que a probabilidade seja o contrário. Pra se ter uma ideia, isso recursos é bastante usado em Os Cavaleiros do Zodíaco em situações do tipo. Voltando aos Metal Heroes, Spielvan foi o menos favorecido, já que houve situações em que ele era salvo por Lady Diana e vice-versa.

Outra coisa 2: É uma pena que os "mancheteiros" só perceberam a volta de Jaspion, Jiraiya e Jiban. Outros heróis também vão aparecer, inéditos no Brasil em sua maioria. Não vou mencioná-los pra não dar spoiler. Ah, é preciso que se diga que NÃO SÃO TODOS os Metal Heroes que vão aparecer em Space Squad.

Outra coisa 3: Infelizmente tem muita gente tomando como verdade uma teoria de um fã japonês que achou que Gaku Sano (Kamen Rider Gaim) deveria ser um sucessor do Jaspion na história. Daí vai surgir mais falsas esperanças lá na frente. Menos, gente. Não tem nada confirmado.

É claro que não são todos os fãs de Jaspion que passaram por tais vexames. Felizmente existe parte do público que é "pé no chão". Aliás, foi legal ver o Jaspion numa produção inédita após três décadas. Mesmo que tenha sido por pouco tempo. Ele deve aparecer numa possível sequencia de Space Squad. Ainda assim a citação de Jaspion foi significativa e serviu de acréscimo tanto para sua própria mitologia quanto para a de Gavan.

Devemos ser gratos à Toei que lembrou do nosso herói de alguma forma.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Girls in Trouble tem Herbaira sedenta por sangue como jamais visto antes

As garotas em apuros

Para entender os eventos de Gavan vs. Dekaranger, é preciso assistir primeiro a esse filme. Inicialmente a apresentou Girls in Trouble: Space Squad Episode Zero como "um filme de ação com garotas sensuais". Daí foi mexendo com a imaginação do público masculino - é óbvio - além das divulgações oficiais de que se tratava do filme mais violento da série e que trazia a nova versão de uma antiga vilã das séries Metal Hero.

Não foi bem um filme com erotismo, apesar de pouco fanservice e de ser um elenco praticamente formado por mulheres. A atmosfera foi diferente, pelo menos no início da trama. Ao menos as protagonistas serviram como chamariz. Como o momento é de crossover entre Gavan e Dekaranger - esqueça o Jaspion por enquanto - a intensão do diretor Koichi Sakamoto e do roteirista Naruhisa Arakawa era unir as garotas das duas mitologias, que, por fim, fazem parte do mesmo universo. Daí tivemos o encontro da dupla Umeko/Deka Pink e Jasmine/Deka Yellow com o trio Shelly, Sissy e Tamy. Respectivamente as assistente dos novos Gavan, Sharivan e Shaider.

O filme começa num misterioso dome onde as garotas estão presas e não se lembram como foram parar ali. Além das garotas citadas há pouco, também estão as novatas Vivian (este foi o nome da filha do Comandante Qom, interpretada por Kiyomi "Anri" Tsukada num episódio de Shaider) e Maki. Para sobreviver, elas tem que enfrentar uma versão monstruosa de Herbaira (Hellvira), a vilã assassina da série Spielvan (de 1986). A nova Herbaira é muito mais sanguinária e não perdoa ninguém. Tudo do jeito que remete aos clássicos hollywoodianos como Alien e O Predador. Surge também a nova Benikiba (baseada na vilã original de Jiraiya, série Metal Hero de 1988) que, no passado, teve um determinada passagem pela Polícia Galática. Como complemento na trama, também surge a Secretária Sophie (erroneamente chamada por desavisados como "a chefe do Gavan") que tem um papel fundamental para os eventos deste prólogo.

Mais uma vez a antiga trilha sonora do grande Chummei Watanabe se destaca numa série totalmente moderna. Em Girls in Trouble - nome de um dos temas de encerramento de Dekaranger - podemos ouvir mais uma vez as BGMs de Shaider e Sharivan sendo tocadas. A última vez aconteceu nos dois filmes da série Uchuu Keiji NEXT GENERATION. Assim o filme foge em alguns momentos do clima tenso de terror/suspense proposto. Dosando momentos de graciosidade e fortes cenas de violência.

O single de Girls in Trouble foi lançado em janeiro deste ano e foi interpretado pelas atrizes Ayumi Kinoshita (Jasmine), Mika Kikuchi (Umeko), Suzuka Morita (Shelly), Misaki Momose (Sissy) e Mayu Kawamoto (Tamy). O mesmo é o tema de encerramento intitulado como "Girls Say Halleluya". Mika e Ayumi (esta última anunciou recentemente sua segunda gravidez) continuam transmitindo a mesma graciosidade dos tempos de Dekaranger nas manhãs de domingo, mesmo agora que ambas estão na casa dos 30 anos de idade.


A monstruosa Herbaira

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Gavan vs. Dekaranger abre caminho para a nova Liga da Justiça

O encontro de Dekaranger e Gavan Type-G

Demorou muito tempo para a Toei pensar em algo mais consistente e que reunisse grandes heróis do estúdio. Parece que agora a realidade está mudando com o lançamento dos filmes Space Squad. Inicialmente a Toei tinha planos para lançar direto-para-vídeo. Mas a repercussão no final de 2016 foi tamanha que em janeiro passado foram anunciadas as exibições itinerantes dos filmes Girls in Trouble e Gavan vs. Dekaranger nas salas de cinema do Japão. Os lançamentos em DVD e Blu-ray ainda vão sair oficialmente a partir de julho. Porém, alguns exemplares foram adiantados como brindes. Um belo agrado para os fãs japoneses.

Sem dúvida alguma, o filme mais esperado foi o crossover entre Geki Jumonji/Gavan Type-G e o sexteto liderado por Akaza Banban/Deka Red. Há tempos que a Toei deixou a entender que havia uma antiga amizade entre o primeiro Gavan, Retsu Ichijoji, e Doggie Kruger, o Deka Master. Anos depois o sonhado encontro das duas sagas se tornou realidade. E o que é melhor, expandindo o universo da Toei com novas versões de vilões clássicos das séries Metal Hero.

Antes de seguir, é preciso entender que crossovers como Super Hero Taisen, por exemplo, servem para dar possibilidade dos heróis das franquias Super Sentai (com exceção de Kyuranger), Metal Hero e Kamen Rider coexistirem no mesmo universo. Por si só, esse motivo dispensa explicações e até mesmo teorias de fã.

Space Squad conta com a volta de MacGaren (Mad Gallant), o filho de Satan Goss e rival icônico de Jaspion num passado distante. Apesar de se apresentar com uma nova armadura - e ter apenas a voz do lendário Junichi Haruta - ele não é exatamente o mesmo que conhecemos nos tempos da extinta Rede Manchete. O mesmo vale para Benikiba - interpretada por Mikie Hara - que não tem relação alguma com a verdadeira filha de Dokusai, em Jiraiya. Porém, os dois são chaves essenciais para o que podemos entender pela formação dos 12 apóstolos do verdadeiro inimigo que está por trás de tudo, Kyōsō Fumein. Embora um deles seja independente disso tudo e tem um  motivo maior para se aliar.

Deka Red e Gavan Type-G medem forças com a nova encanação de MacGaren

A introdução de Jaspion na história é pequena e aos mesmo tempo fundamental. Se você é daqueles que ainda está aguardando uma participação maior do nosso querido Tarzan Galático, mesmo com todos os avisos, é bom afogar as mágoas numa maratona da série clássica pra aliviar a dor de cotovelo ou entender de vez o contexto de Space Squad pra não criar falsas esperanças. Ao contrário do que pensávamos, Jaspion não aparece em um flashback para explicar sobre a origem de Macgaren ou algo assim. Há uma explicação sobre um material especial feito no planeta Edin. Em contrapartida, Satan Goss também aparece ou pelo menos o que sobrou do demônio da galáxia. Meio rápido e com breve referência à trilogia dos Policiais do Espaço, acredite.

Só que nem tudo está perdido e não deve parar nessas referências. Space Squad deve ser uma espécie de Liga da Justiça ou Vingadores da Toei. Possivelmente veremos Jaspion - sem a participação de Hikaru Kurosaki, é claro - em novos filmes da série. Além dele estão prometidos outros heróis das franquias Metal Hero e Super Sentai. Mais precisamente ligados aos temas espaciais e policiais. Eles formarão o senbatsu team.

Gavan vs. Dekaranger é divertido e não cai em fanservices gratuitos, que era o grande mal de alguns dos recentes crossovers do estúdio. É um misto de violência e carisma. A trilha sonora original de Gavan foi um dos destaques. Talvez porque não esteve presente em Gavan: The Movie (de 2012). Agora teve todo um charme. O carisma dos Dekaranger também ajuda. Um dos momentos mais esperados pelo público é o casamento de Sen/Deka Green e Umeko/Deka Pink que sofre imprevisto, devido ao ataque dos novos inimigos que estão por trás de um caso que envolve estranhas sanguessugas.

O diretor Koichi Sakamoto e o roteirista veterano Naruhisa Arakawa fizeram um excelente trabalho que não deve decepcionar o público. Ambos conhecem bem essas mitologias que devem acrescentar mais e mais elementos. A ansiedade só aumenta para saber o que vem por aí e vai além de um mero saudosismo.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Goku só deu altos vacilos no atual arco de Dragon Ball Super


Ele é o tipo de personagem que todos nós que acompanhamos Dragon Ball amamos e gostamos. Goku é aquele herói boa praça que você faz questão de ser amigo, por ser verdadeiro, honrado e qualidades afim. Só que o Saiyajin tem um defeito terrível: sua ingenuidade.

É justamente esse defeito que está colocando em cheque sua reputação em Dragon Ball Super e com toda a razão. Vajamos:

Primeiro: sua busca desesperada em recrutar os guerreiros para o Torneio o levou a mentir, dizendo que havia um prêmio de milhões em dinheiro. Algo desmentido e que causou mal estar entre seus amigos.

Segundo: sua ideia absurda em recrutar Freeza. Tá certo que foi um caso de extrema urgência por causa de hibernação inesperada de Majin Boo. Mas "ressuscitar" um inimigo de alta periculosidade é um tiro no escuro. O resultado está aí. Freeza matou friamente assassinos de um dos Doze Universos, tentou fazer o mesmo com Goku, tentou trair o acordo feito e ainda pode fazer algo bem pior.

Na boa, se você tem um bom motivo pra odiar Goku, esses dois vacilos citados acima são um bom começo. Além do mais, Goku é o cara mais poderoso entre os Universos e o que diga os guerreiros dos mesmos sobre o adversário, né?

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Após dois anos, Dragon Ball Super finalmente vai começar

O ingênuo Goku (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Depois de tanta enrolação, remakes de filmes recentes e um arco com mais furos que um queijo suíço (Trunks do Futuro, sendo mais específico), já posso dizer que Dragon Ball Super vai começar de verdade após dois anos de sua estreia na Fuji TV. Falando sério, nunca um episódio da série me deixou tão empolgado como o deste domingo (18).

Goku acabou de criar sua próprio "zumbi", tanto para o Torneio dos Universos quanto para a própria trama. Tudo está praticamente imprevisível. Ninguém tem a menor ideia do que pode acontecer por causa do erro de Goku em recrutar Freeza para formar o time dos dez guerreiros do Sétimo Universo. Foi um mal necessário? O tempo dirá.

Por outro lado, Freeza protagonizou um episódio onde promete que Dragon Ball Super pode render momentos catastróficos. O vilão parece não estar perdido numa fanservice qualquer e Akira Toriyama deve ter um propósito com o personagem para os próximos episódios. Que Freeza não é um sujeito confiável, isso todos sabemos (talvez Goku não saiba, né?). Até agora ele matou friamente os assassinos de outro universo, tentou negociar com os deuses e agora planeja dominá-los se aproveitando da ameaça de destruição mediante o Torneio.

Ele é mais que esperto e mais cedo ou mais tarde irá causar um caos dos diabos. Tudo às custas da ingenuidade de Goku. É só aguardar.

PS: Neste sábado terminou a segunda temporada de Attack on Titan. Uma pena que tivemos apenas doze episódios. Pelo menos desta vez pudemos ver simultaneamente pela Crunchyroll (infelizmente a primeira temporada segue inédita no Brasil). Não que estivesse ruim ou coisa assim, mas não me empolguei tanto como na temporada anterior. A terceira temporada foi anunciada e teremos mais Eren, Titãs, e coisas estranhas garantidos para 2018.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Kyuranger tem crossover boboca com Gavan e Dekaranger

O encontro dos heróis vermelhos e prateados

Desde quando Kyuranger foi anunciada oficialmente como uma série Super Sentai espacial, imaginávamos a possibilidade de acontecer algum crossover com o elenco de Space Squad. Seja no próprio filme ou num episódio de TV. Para promover a estreia de Girls in Trouble e Gavan vs. Dekaranger nas salas de cinema do Japão neste fim de semana, a Toei jogou Kyuranger num encontro com o elenco dos dois filmes.

Lucky/Shishi Red e Naga Rei/Hebitsukai Silver são o foco da trama. Suas respectivas cores se encontram com Geki Jumonji/Gavan Type-G e Banban Akaza/Deka Red. Rolou algumas referências como Geki citar "yoroshiku yuuki" (trecho do tema de abertura de Gavan), fazer um gancho com o casamento de Sen-chan/Deka Green e Umeko/Deka Pink e até reaproveitamento de cenas. Mas o desenvolvimento foi bobo demais. Começou com Madako (não confunda jamais com Madoka) enganando Geki, se fazendo de inocente e roubando a nave Dolgiran. Nada tão trabalhado como no crossover entre Gavan Type-G e Go-Busters nem como Jiraiya e Ninninger. Foi mais como divulgação sem se preocupar com a lógica.

Pelo menos esse episódio de Kyuranger confirma que a trama se passa num universo paralelo da cronologia dos Super Sentai anteriores. A invasão apocalíptica de Jark Matter num futuro distante já serve como justificativa. 

PS: Sobre os filmes do Space Squad, estreiam neste sábado no Japão, como citei acima. A Toei tinha um plano inicial de lançá-las direto-para-vídeo, mas a repercussão foi tamanha a ponto da Toei mudar os planos em janeiro. Portanto o lançamento em DVD e Blu-ray acontecem apenas em 17 de julho. Nesta semana saiu o CD com Space Squad & Toei Hero Collection. O material traz novos e antigos temas de Gavan, Dekaranger, além das TV size dos temas de abertura de algumas séries Super Sentai como Denziman, Flashman, Fiveman, Megaranger e Gingaman e mais de algumas séries Metal Hero como Sharivan, Shaider, Jaspion, Spielvan, Jiraiya, Jiban, Exceedraft, Janperson, Blue SWAT, B-Fighter e B-Fighter Kabuto. Segundo o diretor Koichi Sakamoto, há planos de lançar mais filmes de Space Squad. Será que veremos mais estes heróis em aventuras inéditas? Tomara que sim.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Só agora que reclamaram do Mestre Kame?


Não é de hoje que o Mestre Kame tem aquele jeitão, digamos, tarado. Na primeira série clássica de Dragon Ball, o velhão protagonizou vários momentos de safadeza. A principal vítima, na época, foi a Bulma (e sua calcinha). É bom ressaltar que as três primeiras séries da franquia foram exibidas originalmente em horário nobre, no começo das noites de quarta-feira pela Fuji TV. Até aí é considerável, uma vez que a faixa das 19h abriu espaço para vários animes violentos, no passado, como Os Cavaleiros do Zodíaco, Samurai X, etc.

Recentemente, Kame teve seus ataques "hentai" em Dragon Ball Super. O que é estranho já que a atual série é exibida em pleno horário matinal, às 9h de domingo. Foi o caso daquele episódio 89 da série, onde surge a personagem Yurin que foi assediada por Kame. Então, este mesmo episódio se tornou alvo de um Comitê de Ética japonês, a BPO (Broadcasting Ethics and Program Improvement Organization), que fez a seguinte reclamação:

Em uma animação, existem cenas de um ancião tocando os corpos das garotas e olhando as suas roupas de baixo contra a vontade delas. Essas cenas são quase irrelevantes para a história. Eu amo assistir esta série com meus filhos todos os finais de semana, mas é inapropriado para crianças ter algo assim no anime.

A BPO não menciona nome de anime em suas reclamações. Pela descrição, tudo leva a crer que se trata de Mestre Kame. O que chama atenção é que o episódio foi exibido no começo de maio e só agora, após mais de um mês, é que a reclamação veio a tona. Enfim, Kame é um personagem antigo da franquia. Ainda assim é esquisito ter esse tipo de apelação em plena programação infantil e em tempos de "politicamente correto". Por um lado, isso provou que esse tipo de coisa não acontece apenas aqui no Brasil. O mesmo caso de cá é também de lá.

Pelo menos, Kame deu a entender que vai se controlar, pelo menos na sequencia do Torneio. Quem sabe depois dessa polêmica toda ele permaneça assim, né?

segunda-feira, 12 de junho de 2017

De volta do inferno, Kiriya rivaliza de vez em Kamen Rider Ex-Aid

O novo Kiriya Kujo

Sem dúvida alguma, esta é a melhor fase da série. Kiriya Kujo está mesmo de volta, agora como Kamen Rider Lazer Turbo. Antes de qualquer coisa, Masamune Dan/Kamen Rider Cronus instaurou um início de um grande caos que vai ameaçar a humanidade. Claro, isso no universo de Kamen Rider Ex-Aid. Mas o que chamou atenção foi a volta do Rider que voltou após sua morte do trágico episódio de Natal.

Kiriya é um daqueles sujeitos que cativam o espectador pelo seu valor. Sua morte no fim do ano foi estranha e sentida por muita gente que acompanha a série. Porém sua volta é significativa ou mais do isso. Sem o controle de Cronus e lutando ao lado do vilão por vontade própria, Kiriya veio pra deixar a marca de uma forte rivalidade contra Emu. Não se sabe ainda o que Kiriya disse para Emu para que ele ficasse com raiva. É mais um enigma que vai sendo desvendado durante os próximos episódios e que vai deixar muito espectador babando o chão e roendo unhas. E claro, queimando a língua de quem ainda acha que Ex-Aid é ruim pelo visual.

Kamen Rider Ex-Aid está indo muito bem. O único furo no momento é quanto ao Hiiro/Brave. Sério mesmo que ele está se deixando cair numa armadilha tão óbvia? Cronus está prometendo devolver a memória de sua namorada mesmo que signifique trair Ex-Aid e sua turma. Tá na vista que o rival vai pagar caro pela sua decisão e isso pode custar até sua própria vida. Como se dará isso, só assistindo pra saber.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Veja a primeira imagem oficial de "Pantera Negra"

Chadwick Boseman como Pantera Negra

A Marvel acaba de divulgar a primeira imagem promocional do filme solo do Pantera Negra, que tem estreia prevista no dia 15 de fevereiro de 2018. O filme se passa após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, onde o herói deu as caras pela primeira vez nas telonas. Chadwick Boseman voltará a encarnar o herói. Confira o cartaz:



ATUALIZAÇÃO: A Marvel liberou na noite desta sexta (9) o primeiro trailer do filme. Assista:


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Ex-Aid protagoniza o mais divertido Movie Taisen da franquia Kamen Rider

Os cinco recentes Riders da era Heisei

Desde dezembro de 2009 que as séries Kamen Rider adotaram uma tradição de fim de ano: ter um crossover entre o Rider vigente e o Rider anterior. Antigamente era dividido em três arcos onde o primeiro dava um "gostinho de quero mais" do Kamen Rider recém-concluído, o segundo era um "episódio estendido" do Rider do momento e o terceiro e último era um crossover entre os dois heróis.

A Toei conseguiu sair desse modelo engessado que gerava encontros legais. Às vezes o fanservice forçava mesmo só mesmo pela desculpa de jogar os dois últimos heróis do momento. Em dezembro do ano passado foi exibido nos cinemas do Japão o filme Kamen Rider Heisei Generations: Dr. Pac-Man vs. Ex-Aid & Ghost with Legend Riders. Em outras palavras, Takeru Tenkuji/Kamen Rider Ghost e cia estavam de volta após o final da série de TV, enquanto  Emu Hoju/Kamen Rider Ex-Aid tinha um episódio que passavam dos vinte e poucos minutinhos. Esse filme teve um encontro repentino dos dois recentes Riders e o desenrolar foi natural. Ambos tiveram um inimigo em comum, o Dr. Pac-Man e seus capangas que armaram um vírus - que também leva o nome do famoso personagem de game da Namco - que pode afetar vidas humanas. Durante o filme o elo mais forte entre Takeru e Emu estava em evidência: o dom da amizade e o desejo de salvar vidas.

Aos poucos são introduzidos os três Riders lendários do filme. Shinnosuke Tomari/Kamen Rider Drive investiga sobre o mais novo vilão, enquanto não tem como se transformar e está aguardando o nascimento de seu filho com Kiriko. Haruto Souma/Kamen Rider Wizard surge usando seus métodos. Respectivamente estavam de volta os atores Ryoma Takeuchi e Shunya Shiraishi. O único entre os Riders lendários que não voltou foi o ator Gako Sano para interpretar Kouta Kazubara. Assim, Kamen Rider Gaim aparece apenas transformado.

Kamen Rider Heisei Generations: Dr. Pac-Man vs. Ex-Aid & Ghost with Legend Riders consegue divertir e fugiu do estilo caça-níquel dos primeiros Movie Taisen. O crossover foi agradável e sem grandes pretensões. Não é preciso ter assistido a alguma das séries pra entender (porém não custa nada frisar que o filme se passa entre os episódios 9 e 10 de Ex-Aid), mas é um bom divulgador das mesmas. Koichi Sakamoto é quem esteve na direção e assim garantiu uma ótima qualidade. Seu último trabalho com a série Movie Taisen foi em 2012 com o crossover de Wizard e Fourze. O mesmo que contou com a aparição da nova Patrine.